quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

A Tua Voz








 

  Vem silencioso


        Em ondas pacíficas

Com o meu nome na tua boca.

Depois, todo o fogo dos teus raios

Faz arco-íris na minha pele,

Numa brincadeira de colorir...


Vem silencioso,

      Em ondas gigantes,

Com todo o meu universo na tua cabeça.

A minha dança dos dias

      Captura-te

Na magia do imprevisível das mãos.

As mãos mobilizam os sonhos

Para o ciclo da vida...


Vem com a tua voz:

      A poesia

Que silencia o mundo!...




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados) 

Imagem: Obra de Daniel Gerhartz.







16 comentários:

  1. É neste imperativo que o Outro se dobra, se curva, se entrega.
    Com um apelo tão cativante, não há a mínima possibilidade de resistir, pois se apreende que há uma insinuada reciprocidade no apelo, no silêncio cúmplice, “com o nome em tua boca”, nas “ondas gigantes”.
    Interessante o universo semântico para despertar o(s) corpo(s): “ondas pacíficas”, “fogo dos teus raios”, “arco-íris na pele”. É um jogo (brincadeira)... ah! As mãos, para que servem as mãos na sua imprevisibilidade? Também para despertar... que se completa no ciclo da vida, com a poesia “dos corpos” que silencia o mundo... Viajei no teu poema.
    Ao leitor, cabe recriar, reinventar, descobrir o sangue do vento, encontrar “outras chamas”.
    Um belo poema, Suzete! E lavras tão bem as palavras que ouvimos a voz que vem do seu próprio ser...

    Afetuosos abraços,

    ResponderExcluir
  2. Quando a poesia se desnuda
    mesmo assim não quer salvar o mundo

    só ajudar

    Bj

    ResponderExcluir
  3. cativante poema...

    qual bailado das "mil e uma noites" e seus tules - ocultando... revelando ...

    imagens poderosíssimas e muito belas!
    privilégio de teus assíduos leitores.

    grato

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Há poesias assim... que nos convidam para colorir ao nosso modo. Gosto especialmente dessas.:)

    Como sempre adorei. Suzete.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  5. Suzete, querida!
    Este teu poema encantador e sedutor, nos deixa
    perplexos com a imensa beleza imagética.
    Na primeira estrofe:
    O pedido que venhas silencioso nas ondas pacíficas
    com o teu nome (da poetisa) na boca, sugere que
    a poetisa valoriza a paz, o silêncio e a suavidade.
    "Depois, todo o fogo dos teus raios
    Faz arco-íris na minha pele,
    Numa brincadeira de colorir..."
    Que imensidão de beleza imagética!!
    Sugere o pedido do desejo do Sol, a paixão (no seu fogo)
    na entrega da sua magia e luminosidade de cores e reflexos.
    Depois sugere o silêncio, a suavidade na aproximação
    com o ser amado com a tua vida, o teu Ser na mente dele.
    Na tua dança de vida emana a tua magia que o captura
    para a própria vida na sua imprevisibilidade.
    O cuidado com "As mãos" de preservar o sonho (amor)
    e este amor em poesia "Silencia o mundo!..."
    Magnífico!!
    Abraço de amizade e admiração.
    Felipe.

    ResponderExcluir
  6. Suzete,
    No seu poema, “A Tua Voz”, destaco estes versos:

    "Vem com a tua voz:

    A poesia

    Que silencia o mundo!..."

    Parabéns
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. "Faz arco-íris na minha pele"
    Esta imagem é brilhante, mas todo o poema é muito bom.
    Parabéns por mais esta pérola poética.
    Bom fim de semana, amiga Suzete,
    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Este é meu penhor
    pelo teu olhar de frevo lírico
    nos repuxos desenhados no ar
    das tuas mãos e dos teus pés
    tão leves
    mas que deixam sinal forte
    da tua presença
    "Nas dobras do dia".

    Afetuoso abraço, Suzete.

    ResponderExcluir
  9. Na complementaridade se gera a fecunda poesia...
    Belo, Suzete!

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  10. Na complementaridade se gera a fecunda poesia...
    Belo, Suzete!

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  11. Olá Suzete!
    Quando,a voz fala e a mão escreve poesia, calam, os nossos murmúrios internos.
    Um abraço, Sônia.

    ResponderExcluir
  12. Su!
    Um poema majestoso com uma sedução e lirismo,
    numa atração surpreendente, o poema nos
    magnetiza com a sua beleza avassaladora.
    És uma Poeta única, minha amiga!!
    Beijinhos saudosos.
    Nara.

    ResponderExcluir
  13. Suzete, querida, quanto encantamento nos proporciona! A leitura de seus versos nos traz cenários e sentimentos cheios de magia, em um canto que só pode ser idealizado e formulado por quem tem talento. Há caminhos, todos belos, em suas palavras. Há sensualidade, há entrega, há um silêncio compensador. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  14. Com os verbos vir e capturar faz a poeta um exercício divino de poesia. E quando os articula com ondas fogo e pele leva-nos ao olimpo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  15. Juraria ter comentado este poema; pelos vistos escapou-me...
    E o poema fez-se das perceções: gestos, sons, olhares; tudo te chega pela sensibilidade e, por ela, escolhes as palavras para fazer poesia (que tudo silencia, de facto).
    Belo, amiga!
    Bjo :)

    ResponderExcluir
  16. A poesia que silencia o mundo mas permite a magia das mãos que "mobilizam sonhos".
    Uma poesia feita de encantamento, num convite à chegada dessa voz feito arco-íris que ilumina a pele.
    Sublime, querida.
    Obrigada pelas tuas palavras no meu blog. A tua voz é muito importante para mim.
    xx

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.