terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Passos da Música do Silêncio...











Quando os olhos sangram

Diante das palavras antagônicas

Ao cetim da alma,

O sublime

Recolhe-se nas dobras do espanto.


Fica em mim a sede da inocência da entrega.


Deixo os meus olhos molhados

Do rio

Que em mim não seca.

A emoção é cortante na pele

Quando a pureza sentida

É uma tatuagem de caráter.


Não importa a gravidade dos arranhões,

Estes nunca atingirão a essência cristalina

Que não se curva diante da frivolidade.


A pureza nas linhas da mão, brotada de lavanda,

Em etéreo perfume, silenciam as palavras frias.


O peso do engano não vale sobressair

Sobre os passos da música do silêncio.






Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)


Imagem: Obra de  Lídia  Wylangowska.




19 comentários:

  1. Suzete,

    Sempre me impressiona a sua magistral criação poética.
    A metáfora como título: "Passos da Música do Silêncio..."
    São passos da nobreza da alma!...
    O registro dos olhos diante de algo tão inferior ao
    sublime da alma (cetim) na sua doçura, a se recolher
    ao espanto do que foi visto. Mas, no eu lírico fica a sede
    da inocência, sendo a entrega nesta genuína pureza (alma)...
    Os olhos serão sempre rio da emoção, que mesmo dor seja,
    ficará tatuada em elevado caráter.
    Com este nobre caráter, os arranhões (machucados) não
    arranharão o cristal da essência-Ser, por isso, mesmo que
    pese o engano (a ilusão), ficarão aquém dos "passos da
    música do silêncio" (passos da nobreza da alma) que
    se mantém na sua luminosidade perante os enganos da vida.
    A sua poesia é a elevação das palavras no espaço da
    criação delicadamente sublime, bela e incomparável
    diante de atingir o grau máximo da perfeição, em que
    as palavras correm para serem inscritas na tua ímpar poesia!
    Admiro tanto o seu caminho luminoso literário,Suzete!!
    Grato fico toda vez que leio a sua literatura (arte poética).
    Abraço de admiração!
    Felipe.

    ResponderExcluir
  2. Querida Suzete,

    Seu poema que transparece profundidade, me deixou por aqui reflectindo em cada verso.

    Nehuma alma sai machucada dos 'arranhões' quando pura na essência. Admiro como trata as coisas da alma, com elevação.

    Muito sensibilizada pelas visitas ao meu espaço, aos pequenos fragmentos que vou deixando esparsamente. Sempre teu carinho que me toca.

    Uma linda semana. Muita luz (e mar...)

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Querida Suzete,

    Seu poema que transparece profundidade, me deixou por aqui reflectindo em cada verso.

    Nehuma alma sai machucada dos 'arranhões' quando pura na essência. Admiro como trata as coisas da alma, com elevação.

    Muito sensibilizada pelas visitas ao meu espaço, aos pequenos fragmentos que vou deixando esparsamente. Sempre teu carinho que me toca.

    Uma linda semana. Muita luz (e mar...)

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. por vezes o sublime vem carregado do barro de que somos feitos...
    mais um vez a minha Amiga, num estilo que é muito pessoal, nos concede uma valiosa reflexão e um poema muito belo...

    beijo

    ResponderExcluir
  5. A pureza da alma e sua essência luminosa não se quebram com os arranhões recebidos lá fora. Que escorra emoção em lágrimas de dor, que o desengano corte, mas que saibamos passar ao largo da frivolidade, de cabeça erguida. São profundos e reflexivos seus belos versos, Suzete. Dois beijos, porque me esqueci de deixar um na postagem anterior (rsssss).

    ResponderExcluir
  6. Fez-me pensar... magnifico! Gostei muito.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  7. Deleito-me nas melodias que consegues libertar no passo poético.
    Beijos e saudades, minha amiga.

    ResponderExcluir
  8. Minha querida Suzete,

    Hoje venho sem o frevo, talvez com uma ciranda. Uma ciranda de palavras na busca de apreensão do sentido do seu poema. Delicado, sensível numa linguagem sutil para dar conta dos "percalços" entre o eu e o outro.

    O que seria da poesia se não fosse a capacidade de modelar a linguagem, de modelar a palavra, criando-a no interior do poema nuances de significação, possibilidades de leitura, criar a sua própria referência, fundar uma nova realidade, tal como você o fez aqui ao simbolizar nos passos do silêncio um corte provisório, temporário nas relações entre o eu e outro, deixando-nos a incumbência descobrir e assimilar tais nuances.
    Poderíamos fazê-lo desmetaforizando a linguagem. E por que fazê-lo desta maneira se a beleza do texto está na imagética?
    A palavra é tudo no poema. É no jogo da aparência e essência, ou jogo sutil de contrários sugerido no poema que apreendemos a beleza do texto.
    O poema é este sopro que confirma a existência do sujeito e do outro e, por extensão, a existência do poema e do poeta. Excelente poema!

    Afetuoso abraço, Suzete!

    ResponderExcluir
  9. Regido pela mais pura afinação do sentimento. Bravo!
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  10. Doce e querida amiga,

    Acabei de responder ao seu comentário lá no meu espaço, onde deixei registrado o encanto do seu lirismo, sua doçura, delicadeza e espiritualidade. Não me enganei em nenhum desses adjetivos, pois este seu lindo poema é um daqueles que ressalta o seu forte laço espiritual.
    Destaco, a respeito do que afirmo:
    "Não importa a gravidade dos arranhões,
    Estes nunca atingirão a essência cristalina
    Que não se curva diante da frivolidade".

    Destaco, ainda, por que lindo demais:
    "O sublime
    Recolhe-se nas dobras do espanto".

    Quanto à expressão final, que dá também título ao poema, é de uma beleza ímpar: "... os passos da música do silêncio." (De extrema sensibilidade poética).

    Lindíssimo, Suzete!

    Obrigada pelas lindas palavras que deixou em meu recanto e por todo o seu carinho.

    Tenha um belo final de semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Um rio que nunca secará na essência da entrega ao sublime, mesmo que os olhos sangrem e a emoção corte a pele.
    Por mais que o nosso exterior seja arranhado, há essa força de carácter que tem de resistir às agruras do quotidiano.
    Excelente, poetisa!
    Bom domingo.
    xx

    ResponderExcluir
  12. Quem sabe o caminho que trilha por vezes tropeça, arranha-se, mas continua sempre...
    Muito bom, Suzete!

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  13. Um poema de espanto!
    expressão de violência
    na fímbria da inocência,
    desfeita.
    A escorrência
    de águas, mágoas:
    dois sulcos na face.
    Golpes cruéis,
    feridas
    das "palavras antagónicas".

    Boa semana, Suzete. Bj.

    ResponderExcluir
  14. Belíssima esta exortação ao afastamento do que não se deve trazer para dentro de nós; não é um ato egoísta, antes a separação do trigo do joio, a depuração. O interior deve estar sempre preparado para a magia da vida. Nele encontraremos o sorriso que nos move...
    BJO especial, querida :)

    ResponderExcluir
  15. Suzete , belíssimo poema . Doçura e profundidade . Emoção à flor da pele . Parabéns e obrigada pela partilha . Beijos

    ResponderExcluir
  16. Querida Suzete. E eu que cheguei aqui para te dizer que não precisa se preocupar com o incidente no gadget de seguidores, pois que comigo, já aconteceu o mesmo, ah isso é tão normal. O próprio Google um tempo atrás, cancelou várias inscrições de seguidores, não me prendo a esses detalhes e claro que sempre voltarei para le-la, pois que também me é muito precioso esse teu espaço tão mágico.
    E aí eu me deparei com estas letras tão sensíveis, sábias e lindas... Minha nossa, como falaram comigo! Sabe, estou vivendo duas emoções imensas, a realização de uma sonho que me enche de alegria, e o fim de uma amizade/ligação de anos, que me era muito importante, uma importância que não era recíproca e que navalhou muito a minha alma. E eu tenho feito como suas letras dizem, eu silenciei, mesmo diante dos ataques e injustas acusações, eu silenciei uma dor que tem me gritado fortemente, tem me ensurdecido em alguns momentos.
    E você chegou bem nesse momento, acho que para me fazer acreditar que foi um caso isolado, que existem sim pessoas que são capazes de entrar em nosso coração gratuitamente. Tuas letras desempedraram-me um choro tão necessário, você nem imagina o quanto.
    Perdoa-me esse desabafo, mas é que de verdade, quero agradecer a tua chegada em meu coração, porque eu sinto que é uma amizade verdadeira e até de cura.
    Do mais profundo do meu coração, obrigada.
    Um abraço bem forte, repleto de carinho.

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.