sábado, 20 de janeiro de 2018

Incorporados de Asa









Navego no teu ar e no 
teu pedido das minhas palavras
na tua boca.
Fica na altura do céu a doçura
dos meus olhos, mergulhados nos teus.

Os meus passos seguidos dos teus,
no rastro que nos arrebata,
na sede de nossas fontes,

Afogados em nossos desejos,
no recanto da nossa casa,
ficamos nus:
incorporados de asas,
livres no voo do som!


Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Roberto Ferri.


13 comentários:

  1. Oi, Suzete!

    Feliz 2018, espero que tenha passado bem nas festividades de fim de ano.

    O amor tem o poder de incorporar asas em nós, assim como a poesia.

    Um abraço com carinho,
    Sônia

    ResponderExcluir
  2. O fascínio de ter asas, neste magnífico poema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Belo esse teu poema, Suzete! E esse é o poder da poesia quando passeia por todos os cantos: perdoa, se encanta, sofre, idealiza, mas jamais esquece do sonho dos enamorados!
    Beijo, uma excelente semana pra você!

    ResponderExcluir
  4. E se não fossem as asas, indomáveis, "nas coisas do amor", nunca haveria esse transbordamento, essa fonte inesgotável, este ar que faz mais doce a nossa respiração...
    Bela confissão amorosa para esse tu, que só você conhece o canto!
    Beijos, minha amiga,

    ResponderExcluir
  5. muito expressiva a alegoria. e a asa ferida do anjo!
    o poema é muito belo, nessa fusão de "corpos e almas" da partilha amorosa, que transborda no percurso do poema.

    Beijo, minha Amiga

    ResponderExcluir
  6. Olá, Suzete!
    É sempre uma alegria poder ler um poema como este, que tu escreveste, "Incorporados de Asa", do qual transcrevo um dos seus belos versos;

    "Os meus passos seguidos dos teus,
    no rastro que nos arrebata,
    na sede de nossas fontes,"


    Parabéns, querida amiga, pela bela obra.
    Um beijo.
    Pedro

    ResponderExcluir
  7. Suzete,
    Continuo seguindo o seu blog e
    queria contar sobre a maluquice que
    postei no meu.
    Agora estou um pouco mais tranquilo,
    pois contarei para você e para os meus
    outros amigos a minha grande verdade.
    Será que você vai achar algo de errado
    no que eu fiz ou é coisa de minha cabeça?

    Um beijo.

    silvioafonso



    .

    ResponderExcluir
  8. Este poema está tão bem enlaçado, como se as palavras se buscassem e, livres, se amassem.
    Fascinante, minha amiga!
    Belo momento!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  9. Quando o amor (ou o estado de amar) se sente como numa suspensão de tempo, dotar o humano ser de asas é a melhor e mais completa metáfora dele.
    Aplauso!
    Bjo, querida amiga

    ResponderExcluir
  10. O amor dá-nos asas... para sairmos de nós... querendo saber mais e mais do outro... o amor... acaba por nos libertar de nós mesmos... do nosso ego, e da nossa solidão...
    Um belíssimo momento poético... mais um... que é uma delícia apreciar...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.