sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Silenciosa Saudade de Ti









Agora
A minha saudade
É leve,
Numa suavidade
Contornando as tuas lembranças,
Que moram em mim, mãe.
Uma dança sem festa,
Pois a ausência do teu sorriso
Silencia a alegria.

Os dias correm
Repletos de ti.
Sempre sinto a tua presença
No aroma do amor,
Que criou raízes
No terreno dos sonhos,
Onde nunca nos separamos.

Guardei aquele abraço (infinito)
Do sonho de ontem...



Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexey Slusar.


Partilha: Era o dia do aniversário da minha mãe...
                Fico com a minha saudade silenciosa....



17 comentários:

  1. Querida Su,

    Belíssima e emocionante homenagem a tua mãe (tão amada)!

    Sempre fico surpreendida com a tua capacidade de transcrever

    sentimentos em arte poética, com a grandiosidade da tua sensibilidade

    humana rara e de uma beleza poética translúcida que nos encanta,

    permeando e ficando no que nós temos de melhor,o sentir.

    E como eu senti este teu poema,querida amiga...

    Tu sabes, a minha distância é física (geográfica),pois sempre

    estamos na sintonia da pura amizade (alma).

    Beijinho e aquele abraço (infinito)...

    Nara.

    ResponderExcluir
  2. Eterno amor!

    (vim me reconfortar nas tuas palavras, nesse dia que é dela)

    ResponderExcluir
  3. Ainda bem que hoje te visito (ontem mal entrei na net). Não seria o mesmo se só lesse este poema daqui a uns dias.
    Sei desta tua saudade e de como a tens transmitido nos poemas (sempre diferentes, mas iguais nesse sentir tão impregnado da presença da tua mãe).
    Releio o início: a saudade, agora, começa a ser um sorriso, ainda que tímido. O da tua mãe ainda ocupa uma centralidade nas lembranças que te acompanham e acompanharão.
    Sempre enorme o que escreves por esta altura. Há sonhos que não queremos apagar nunca!
    Lindo. Comovente.
    Meu bjo, querida Suzete
    (Esqueço-me de referir as imagens que escolhes. Sempre belas e bem representativas.)
    UM BJO

    ResponderExcluir
  4. A lembrança da mãe, esse ser que nos deu vida, que nos protegeu , que nos acarinhou, que nos amou tanto, tanto. Que nos amou para além do que parece poder ser possível. Esse amor infinito.
    Quando já não a temos perto de nós, toda a recordação saudosa é essa "dança sem festa", feita de suavidade e de silêncio. Mas existe como que um limiar onde ninguém entra e no qual nos encontramos na presença do que o amor tem de eterno; esse sonho de ontem que continua hoje através dessas fortes raízes, que não deixam morrer nunca quem amamos tanto e quem tanto nos amou.
    A saudade silenciosa está sempre presente, mas emerge tão fortemente em certas datas...
    Recebe um grande abraço atlântico, minha querida. Pelo menos na forma de sentir estamos irmanadas. Adorei o que escreveste; sentimentos trazidos com suavidade e beleza do fundo da alma. Li o poema ontem à noite quando me chegou, e chorei de emoção. Decidi por isso, comentar hoje já com um sorriso. As mães detestariam ver os seus filhos tristes...:-)
    xx

    ResponderExcluir
  5. Uma saudade que se toca, dorida, sentida na ferida da ausência.

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Quando amamos estamos sempre perto..beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  7. Porque a saudade é eterna
    Agora mais suave, mas uma presença constante
    Sempre perto da alma
    Das memórias
    Do sorriso
    A eternidade vive dentro de nós

    Um poema que ultrapassa vida terrena

    Muito sentido e belo

    Beijinho e abraço

    ResponderExcluir
  8. No terreno dos sonhos...
    Apenas nele encontramos, como se real, o sorriso e tudo que se foi, deixando um vazio que nada preenche. Não consigo dizer mais nada porque já não consigo ler o que escrevo. Minha saudade ainda não é leve, pois Deus levou minha mãe há dois meses. Você, com seus versos lindos, me tocou profundamente. Bjs.

    ResponderExcluir
  9. uma saudade que nunca finda.
    bela homenagem.
    beijo
    :)

    ResponderExcluir
  10. Olá! Os braços enlaçam algo mais que o corpo da pessoa, segura a alma amor que nunca se esvairá! abraços

    ResponderExcluir
  11. ...é bom revisitar algumas coisas, não com dor, mas como uma saudade sorridente...


    muito bonito...
    bjo amigo

    ResponderExcluir
  12. A saudade das mães é sempre silenciosa e eterna (falo por mim...).
    Adorei o teu poema.
    Tem um bom resto de semana, querida amiga Suzete.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Esse poema é a expressão de uma eterna lembrança. Gostei. Meu beijo.

    ResponderExcluir
  14. Queridos,

    Quero agradecer a cada um com sua presença, belo comentário e
    atenção carinhosa neste momento (meu) de saudade da minha mãe
    partilhado.

    Bjos e abraços (infinitos) na alma...

    PS:Brevemente estarei atualizando as minhas visitas no espaço de
    cada um, que tanto aprecio.

    ResponderExcluir
  15. Querida amiga

    Às vezes as palavras
    se escondem em nossas vidas.
    Então,
    saímos em busca de inspiração
    nos lugares onde a amizade
    se faz preciosa,
    (lugares como este)
    pois são os amigos
    que guardam as melhores
    palavras de nossa vida,
    para nos devolver e inspirar
    quando estivermos distantes
    de nós mesmos...

    Obrigado por sua generosa amizade...

    ResponderExcluir
  16. Suavidade, elevação e ternura!
    Uma homenagem que se entranha! A presença no aroma do amor!

    Abraço-te emocionada.

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.