quarta-feira, 24 de maio de 2017

Grandes Poemas Que Eu Adoro




Unidade


Minh’alma estava naquele instante
Fora de mim longe muito longe

Chegaste
E  desde logo foi verão
O verão com as suas palmas os seus mormaços os seus
                                                  [ventos de sôfrega mocidade
Debalde os teus afagos insinuavam quebranto e molície
O instinto de penetração já despertado
Era como uma seta de fogo

Foi então que minh’alma veio vindo
Veio vindo de muito longe
Veio vindo
Para de súbito entrar-me violenta e sacudir-me todo
No momento fugaz da unidade.


Autor: Manuel Bandeira.

Livro: poesias reunidas Estrela Da Vida Inteira.



Manuel Bandeira: Nasceu na cidade do Recife, Pernambuco, no dia 19 de abril de 1886. Em 1913, Manuel Bandeira convive com o poeta francês Paul Éluard, nesta partilha com o poeta possibilita para a poesia do Bandeira o verso livre, o tornando o mestre do verso livre no Brasil. Em 1921, conhece Mário de Andrade e colabora com a revista modernista e se engaja no ideário modernista. Em 1940 foi eleito para Academia Brasileira de Letras. Ao completar oitenta anos, em 1966, publica “Estrela da Vida Inteira”. Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho faleceu no Rio de Janeiro, no dia 13 de outubro de 1968. 




                    





quarta-feira, 17 de maio de 2017

As Folhas Amareladas




Resultado de imagem para imagem de pinturas de daniel gerhartz



Aquela folha amarelada

num canto do chão,

transportou-me no tom

nostálgico,

no rapto do instante-presente,

de repente a menina

que corria nos quintais,

os pés brancos que

realçavam sobre as folhas amarelas queimadas,

pisadas,

emitindo o som da liberdade das horas

nas tardes recolhidas de sol...


Agora, neste instante

colhido em pensamento flutuante, 

a mulher com as asas da menina,

voa simplesmente

levando as folhas...




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Daniel Gerhartz.



quarta-feira, 10 de maio de 2017

O Rodopio das palavras...






Resultado de imagem para imagem de pintura de richard s. johnson




Bailando nas pontas dos pés
Desenhou um coração
Acelerado de paixão.
Todas as palavras voaram
Tontas,
Sem sentido de realidade...

A amplitude dos gestos
Ficou nos olhos,
A rodopiar
No sonho da entrega!




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Richard S. Johnson.





                             

sábado, 6 de maio de 2017

Belchior, o Poeta eterno!...





Belchior, um poeta eterno que, na excelência das suas canções, evoca emoção e humanidade, numa poesia musical, original e atemporal.

O poeta compositor-cantor-intérprete desprezava a fama-dinheiro como uma dupla explosiva de alienação, porém, com uma singularidade rara que cantava:
 "Não sou feliz, mas não sou mudo
 Hoje eu canto muito mais.” (Música: GALOS, NOITES E QUINTAIS).
                       
Eu tive a dificuldade de escolher as suas músicas, amo a sua poética musical e por isso resolvi deixar duas músicas com as letras aqui neste meu espaço.
Quando um Poeta morre escurece o mundo. Ficamos com a claridade da sua poética a nos guiar na beleza eterna da arte!...
Viva a Música Brasileira!!
Viva o Músico-Poeta, o Artista Belchior!!


Suzete Brainer (Direitos autorais registrados).







                        PARALELAS


Dentro do carro, sobre o trevo a cem por hora, oh! Meu amor
Só tens agora os carinhos do motor
E no escritório em que eu trabalho e fico rico
Quanto mais eu multiplico diminui o meu amor

Em cada luz de mercúrio vejo a luz do seu olhar
Passas praças, viadutos, nem te lembras de voltar
De voltar, de voltar

No corcovado quem abre os braços sou eu
Copacabana esta semana o mar sou eu
Como é perversa a juventude do meu coração
Que só entende o que é cruel e o que é paixão

E as paralelas dos pneus n'água das ruas
São duas estradas nuas em que foges do que é teu
No apartamento, oitavo andar, abro a vidraça e grito
Grito quando o carro passa: teu infinito sou eu, sou eu, sou eu, sou eu

No corcovado quem abre os braços sou eu
Copacabana esta semana o mar sou eu
Como é perversa a juventude do meu coração
Que só entende o que é cruel e o que é paixão






                                               


Na Hora do Almoço




No centro da sala, diante da mesa
No fundo do prato comida e tristeza
A gente se olha, se toca e se cala
E se desentende no instante em que fala
Medo, medo, medo, medo, medo, medo
Cada um guarda mais o seu segredo,
A sua mão fechada, a sua boca aberta,
O seu peito deserto, a sua mão parada,
Lacrada, selada, molhada de medo
Pai na cabeceira, é hora do almoço
Minha mãe me chama, é hora do almoço
Minha irmã mais nova, negra cabeleira
Minha avó reclama, é hora do almoço
Moço, moço, moço, moço, moço, moço
Que eu ainda sou bem moço prá tanta tristeza
Deixemos de coisa, cuidemos da vida
Pois se não chega a morte ou coisa parecida
E nos arrasta moço sem ter visto a vida





terça-feira, 2 de maio de 2017

Sou o Teu Sol em Todas as Estações...




Imagem relacionada




Deixa que eu te olhe
A percorrer a luz que em ti
Desenha o meu nome
Na força do nosso destino.

Deixa que eu te percorra
A tocar suavemente
Os meus lábios Sol
De amor eterno.

Deixa-me em ti,
Guardo-te contra o mal
Com a veracidade
Da proteção,
Com os olhos fechados
Do altar da minha alma.

Deixo em ti
As pétalas vermelhas
Da minha paixão
Aquecida
Nos dias de Sol,
Em todas as estações.




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Michael e Inessa Garmash.


domingo, 30 de abril de 2017

A Paz que Fala





Resultado de imagem para imagem de pintura de alexandrina karadjova





                                                   
                                                             "Nunca irei a uma manifestação contra
                                                              a guerra, se fizerem uma favor pela
                                                              paz chamam-me." (Madre Teresa de Calcutá).



Esta paz refletida do céu,
Um azul suave nas pétalas
De um coração;
Quase incomum
Aos compassos da velocidade
De um mundo agressivo.

Esta paz
Ignorada
Machucada
Pelo verbo
Guerrear da humanidade.

Esta paz
Jogada ao lixo
O verde queimado,
Seres desalojados
E  um mundo
Dividido entre
Aqueles sem casas
E as casas-mansões
Com suas grades de proteção...

A pior grade
É a insensibilidade
A  destruir o mundo, 
Sem que os humanos
Compreendam o
Significado da
PAZ!



Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexandrina Karadjova.





                       



sexta-feira, 21 de abril de 2017

A Insubmissão da Borboleta Azul





Resultado de imagem para imagem de pintura de alexandrina karadjova




Asas de uma borboleta
            Azul
       Que
Decifrou no voo
A liberdade de Ser;

Não permitiu a
Intromissão
Dos seus gestos delicados
E arriscou com a sua liberdade
Toda a fragilidade da sua existência.

As pedras permaneceram
Sólidas e eternas
A serem pisadas no caminho.


Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexandrina karadjova.