sábado, 17 de junho de 2017

Sem Voo...





Resultado de imagem para imagem de pintura de Christian Schloe





Tem dias que tudo
Fica no oco do vazio.
Palavras se desintegram
E o olhar não viaja
Pela  beleza.
A poesia se quer crua
Na lucidez de uma realidade limitante.
Verbos como navalha a cortar
A mortalha da nostalgia;
Uma lembrança qualquer no terreno
Da infância repleta  de risos
Que restabeleça o voo da fantasia...

O som colhido pela memória...
A voz da minha avó
A me dizer:
“Tu sabes voar, minha bonequinha?”



Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Chistian Schloe.



quinta-feira, 15 de junho de 2017

Dias Emudecidos...




Os dias revestidos de um silêncio,
saltitantes de esperas
e o mundo explosivo,
distante  de uma serenidade
que pouse nos olhos humanos...

Os relógios do tempo
a virar poeira
de uma esperança nacional
ultrajada e roubada.
Páginas sem calendário de ordem,
os roubos sucessivos
na vitrine dos escândalos,
numa parcialidade criminosa...

Os dias são assim, doridos
de uma Pátria destroçada,
notícias a ficarem amareladas
e o jornal no percurso de uso
sem nenhuma
esperança de decência,
sem nenhum brilho
de orgulho nacional,
     Sem recursos
     Sem leis e direitos
     Sem identidade...

Os dias emudecidos,
reflexos
de um sol escondido
que não traz
a esperança de dias melhores...


Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Aviso: Quando voltar ao ritmo normal do voo da partilha,
            visitarei os espaços de arte dos amigos...
            Beijo e Abraço de Paz! 






                                  



                                             

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Clara Claridade...





Resultado de imagem para imagem de pintura de alexandrina karadjova




Clara
Liberdade,
Insinuante luz
Em verdade
A desabrochar no
Teu sorriso
       Explosivo
      Contagiante...

Clara
Originalidade
Nos compassos
Deste teu coração
                  Gigante
                 Generosidade...

Clara
Nos posicionamentos,
Distinta personalidade
A espalhar
         No ar
A claridade
       Etérea
De outra galáxia...

Clara,
Claridade,
Sorriso que espelha
O sol
Sem sombras.



Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexandrina Karadjova.

Dedicado a minha sobrinha e afilhada
(filha de coração e alma...),Clara Lobo Brainer,
no seu mês de aniversário...
Beijinhos para ti, Cla!



                               


                               


sexta-feira, 26 de maio de 2017

Igualdade É o Teu Nome...





Resultado de imagem para imagem de pintura de alexandrina karadjova




O teu nome,
Igualdade,
Pousa na leveza
Dos dias ásperos de preconceitos.

Vem,
Igualdade,
Incorpora em tua força
Algum sentimento nobre
De irmandade,
Nesta raça humana
De guerra.

Os olhos são ferozes
Na condenação,
As mãos são facas
Na segregação;
E na escassez
De abraços,
Resta
O sol para todos!...

Igualdade é o teu nome
Que passeia
Na minha utopia de mundo.


Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexandrina Karadjova.


Aviso: Estou no momento sem quase tempo disponível para
          o voo da partilha que tanto aprecio, irei devagar nas
          postagens aqui e nas visitas nos espaços dos amigos. 
          Quando tiver condições, voltarei ao ritmo normal.
          Agradeço a compreensão de todos.
          Beijo e Abraço de paz!...





                            

      



quarta-feira, 24 de maio de 2017

Grandes Poemas Que Eu Adoro




Unidade


Minh’alma estava naquele instante
Fora de mim longe muito longe

Chegaste
E  desde logo foi verão
O verão com as suas palmas os seus mormaços os seus
                                                  [ventos de sôfrega mocidade
Debalde os teus afagos insinuavam quebranto e molície
O instinto de penetração já despertado
Era como uma seta de fogo

Foi então que minh’alma veio vindo
Veio vindo de muito longe
Veio vindo
Para de súbito entrar-me violenta e sacudir-me todo
No momento fugaz da unidade.


Autor: Manuel Bandeira.

Livro: poesias reunidas Estrela Da Vida Inteira.



Manuel Bandeira: Nasceu na cidade do Recife, Pernambuco, no dia 19 de abril de 1886. Em 1913, Manuel Bandeira convive com o poeta francês Paul Éluard, nesta partilha com o poeta possibilita para a poesia do Bandeira o verso livre, o tornando o mestre do verso livre no Brasil. Em 1921, conhece Mário de Andrade e colabora com a revista modernista e se engaja no ideário modernista. Em 1940 foi eleito para Academia Brasileira de Letras. Ao completar oitenta anos, em 1966, publica “Estrela da Vida Inteira”. Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho faleceu no Rio de Janeiro, no dia 13 de outubro de 1968. 




                    





quarta-feira, 17 de maio de 2017

As Folhas Amareladas




Resultado de imagem para imagem de pinturas de daniel gerhartz



Aquela folha amarelada

num canto do chão,

transportou-me no tom

nostálgico,

no rapto do instante-presente,

de repente a menina

que corria nos quintais,

os pés brancos que

realçavam sobre as folhas amarelas queimadas,

pisadas,

emitindo o som da liberdade das horas

nas tardes recolhidas de sol...


Agora, neste instante

colhido em pensamento flutuante, 

a mulher com as asas da menina,

voa simplesmente

levando as folhas...




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Daniel Gerhartz.



quarta-feira, 10 de maio de 2017

O Rodopio das palavras...






Resultado de imagem para imagem de pintura de richard s. johnson




Bailando nas pontas dos pés
Desenhou um coração
Acelerado de paixão.
Todas as palavras voaram
Tontas,
Sem sentido de realidade...

A amplitude dos gestos
Ficou nos olhos,
A rodopiar
No sonho da entrega!




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Richard S. Johnson.