quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Nascimento dos Olhos ...


                                                       


Acordei:

          Nasci

os olhos (meus)

para mim!...


A vida não é para ser contada.

A vida é para Ser bem vivida,

        à flor da pele ,

       alma que levita

nesta realidade flutuante.


Os pés alados

e as mãos sempre leves

       ao toque dos sonhos...








Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alex Alemany. 




27 comentários:

  1. *A vida não é para ser contada.* *A vida é para Ser bem vivida,* * à flor da pele.
    Muita sabedoria!
    Tb o Alex caprichou na obra acima. Etéreo!

    ResponderExcluir
  2. Não vemos com os olhos
    vemos pelos olhos

    Bj sempre

    ResponderExcluir
  3. Como, em primeiro lugar, me chamou a atenção na arrumação irregular dos versos, o que me parece um claro sinal de que essa liberdade permite explorar o simbolismo presente, revelando um estado de alma, expresso “nos olhos”, no olhar, no ver, no apreender”, pois toda a comunicação do poema passa pelos olhos e pelos sonhos, pelo modo de “encarar” a realidade flutuante. E como é poética essa percepção. Belíssimo!

    Afetuoso abraço,

    ResponderExcluir
  4. depuradíssimo poema! muito belo.

    muita beleza (e sabedoria) nestes versos

    "Os pés alados

    e as mãos sempre leves

    ao toque dos sonhos..."

    beijo

    ResponderExcluir
  5. Su, querida...

    O título é uma metáfora magistral!!
    Que poema encantador é este?...
    Concordo com o José Carlos no seu comentário e digo mais:
    Este teu poema pode ser lido em três formas, a primeira, a leitura
    normal; a segunda a leitura marcada de rosa e a terceira, a
    leitura sem marcação do rosa. Todas belíssimas e profundas,
    de uma criação poética e literária de mestre, com a capacidade
    da sofisticação na simplicidade lírica, imagética e filosófica...
    Parabéns ,minha querida amiga Poeta grandiosa!!!
    Beijos de admiração e abraço de irmã de alma...
    Nara.
    Ah, a imagem é sublime para o poema e o poema para
    ela...rss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Narinha,

      É um privilégio (receber) este teu precioso olhar;
      tão belo, sábio, sincero e generoso aqui!
      Fico feliz, tu sabes que essa irmandade nossa é
      rara, em alta são as rivalidades femininas, que nós
      duas sabemos muito bem como são nocivas...
      Somos duas ETS neste mundo...rss
      Muito obrigada, minha irmã de alma!!!
      Beijos gratos e abraço de alma!

      Excluir
  6. Bonito poema.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  7. Belíssimo, Suzete!

    Quando nosso olhos despertam para o essencial passamos a SER e a viver com beleza e leveza, imprimindo intensidade aos momentos breves da vida - vivendo-os "à flor da pele". Contar a vida não é o mesmo que saber vivê-la.

    "Nasci
    à flor da pele
    alma que levita
    ao toque dos sonhos".

    Quanta sensibilidade!

    Um poema magistral em sua construção poética.

    A imagem é leve, ternurenta e muito bem casada com o poema.

    Parabéns!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Um poema dentro do outro, com idêntica magia. Um despertar tão cheio de leveza! Um olhar para dentro, lírico, reflexivo... belo!!!! Grande beijo!

    ResponderExcluir
  9. Como diria Pessoa: "Pensar é estar doente dos olhos". Abraços, Suzete.

    ResponderExcluir
  10. Sim, a vida é para ser vivida com corpo e alma.
    Magnifico poema.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  11. Antes de mais, adoro a imagem escolhida, porque adoro crianças, e jarros, que vocês aí no Brasil, chamam de copos de leite.Tenho alguns na minha varanda que me dão uma alegria imensa. :-)
    Quanto ao poema, que posso dizer...? Admiro a tua capacidade de síntese poética. Belíssimo.
    O sonho é fluído e maleável, basta mover os pés, e trazê-lo nas mãos sem que ele se desprenda. Tudo ondula e se move, e quando das mãos o lançamos na altura certa, o nosso olhar acompanhá-lo-á na sua realização. A partir desses olhos só nossos que nos contam as coisas.
    É um privilégio ler-te, querida Suzete.
    xx

    ResponderExcluir
  12. Olá Suzete.
    Interessante o seu "Nascimento dos Olhos ...", um poema singular. Parabéns.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Olá Suzete.
    Interessante o seu "Nascimento dos Olhos ...", um poema singular. Parabéns.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Sim,sim,a vida é para ser vivida com a maior das intensidades!! Muita alegria é necessária na nossa vida!! Muitos beijinhos,feliz e encantador mês de Dezembro para ti!! http://cenasemaiscenas29.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  15. Discretamente, à distância, acompanho a modulação dos teus sonhos, revelados e resguardados, como tão bem sabe fazê-lo.
    Vim para dizer-lhe que também me emociona e muitíssimo, nem imaginas, os Postigos para o mar. Talvez... porque tenha sido testemunha da história, talvez...

    Afetuoso abraço, Suzete!

    ResponderExcluir
  16. Obrigada pela tua visita lá no meu cantinho,fico imensamente contente que tenhas gostado das músicas que partilhei,é bom saber que ainda existem pessoas que gostam de literatura,eu,por exemplo,não gosto muito de ler,livros não fazem muito bem o meu estilo,prefiro ver televisão!! Beijinhos,bom fim-de-semana!! http://cenasemaiscenas29.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  17. Sim, há que ser mais e teorizar menos :)

    Belo post!

    beijo amigo

    ResponderExcluir
  18. A vida é para ser vivida com toda nossa coragem, fé e amor.
    Gostei muito da forma que construiu seu poema.
    Um abraço, Sônia.

    ResponderExcluir
  19. "Os pés alados

    e as mãos sempre leves
    ao toque dos sonhos... "

    Um poema excelente, com um final de antologia.

    Suzete, tem uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  20. Não vemos com os olhos, vemos pelos olhos o que vai na alma nossa, projectada no que gostariamos de viver... mesmo que 'em realidade flutuante'.

    Gosto de teus poemas soltos nas páginas do teu diário digital.

    Um beijo
    (e muito obrigada pela leitura atenta em meu espaço de 'fragmentos')

    ResponderExcluir
  21. Não vemos com os olhos, vemos pelos olhos o que vai na alma nossa, projectada no que gostariamos de viver... mesmo que 'em realidade flutuante'.

    Gosto de teus poemas soltos nas páginas do teu diário digital.

    Um beijo
    (e muito obrigada pela leitura atenta em meu espaço de 'fragmentos')

    ResponderExcluir
  22. Viver a vida e saber entender o que os olhos vêem...
    Gostei da singularidade do poema.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  23. Metáfora de e da vida este teu poema. Na verdade, a capacidade e ver para lá do visível, é reveladora de uma apurada sensibilidade e sabedoria. Muito belo!
    Parabéns, também, pelo aspeto formal que conferiste a esta construção poética.
    Meu bjo, querida :)

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.