sábado, 16 de julho de 2016

Todo Poeta Vive do Silêncio











Os meus olhos fechados em música
Guardam todas as pausas,
Na espera do silêncio.

Todo poeta vive do silêncio
E dele pesca as palavras!...

Todo o movimento do mar
Passeia por dentro de mim,
No eterno arrumar e desarrumar
Os meus percursos fora.

Do silêncio sempre renascem
As minhas raízes. 
Colho palavras com sede
De liberdade,
Que delicadamente
Ressuscita o sopro da vida.




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Lauri Blank.








Aviso: Uma breve pausa e volto logo
           para voo da partilha que tanto
           aprecio!
           Beijo e Abraço de Paz...

12 comentários:

  1. Boa noite Suzete.
    Um poema belíssimo, uma abençoada pausa. Felizes dias. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  2. O silêncio, o movimento do mar...
    E as imagens fluem, temperadas de lucidez, quantas vezes adornadas de saudável loucura...
    Parabéns, mais uma vez, Suzete!

    Uma boa pausa :)

    ResponderExcluir
  3. O silêncio, o movimento do mar...
    E as imagens fluem, temperadas de lucidez, quantas vezes adornadas de saudável loucura...
    Parabéns, mais uma vez, Suzete!

    Uma boa pausa :)

    ResponderExcluir
  4. Su,

    O titulo lindo, a evidenciar a condição do Poeta inspirado.
    Os teus olhos de poesia expressam música a espera do
    silêncio inspirador,o nascimento do poema. As palavras
    livres com o sopro de vida, com o teu sopro de vida,o
    mar que mora dentro de ti no eterno encantamento
    da poesia!
    A imagem perfeita para o poema e a música encantadora,
    neste todo de arte que tu nos presenteia.
    Minha querida amiga, desejo uma pausa bem inspiradora e
    revigorante e tu de voltas a oferecer esta tua bela
    e original poesia aqui no piano que toca poesia, viu?...rss
    Beijo e abraço saudoso de ti, amiga!
    Nara.

    ResponderExcluir
  5. poema inspiradíssimo e muito belo.

    toda a vontade de silêncio se rende ao "movimento do mar", ou seja, à pulsão criadora da poeta, na persistente busca do Poema, sempre fugidio...

    gostei muito. bom descanso.

    beijo

    ResponderExcluir
  6. Que poema maravilhoso, Suzete!...
    Gostaria de saber se poderei qualquer dia destes, dar um destaque, num pedacinho dele, lá no meu canto... com um link para aqui, pois claro!...
    Adorei!!!! Beijinhos!
    Que seja uma pausa repleta de dias felizes e retemperadores!
    Tudo de bom!
    Ana

    ResponderExcluir
  7. Um belo poema! O poeta precisa do silêncio para escutar o que diz o coração...
    Umas férias descansadas.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Lindo espaço... traduz uma escritora de alma...
    Convido a seguir meu blog: http://guerreirafeliz.blogspot.com.br/
    Abraços!!!!

    ResponderExcluir
  9. Basta o excelente título, amiga!
    Na verdade, o silêncio, para quem sente, é apenas a ausência de ruído. Dentro, fervilha vida!
    Mais um belo poema saído dessa sensível alma!
    Tudo de bom, Suzete!
    BJO :)

    ResponderExcluir
  10. "Todo o movimento do mar
    Passeia por dentro de mim,
    No eterno arrumar e desarrumar
    Os meus percursos fora."

    Adoro o silêncio, Suzete, e o único som que ligo quando quero me encontrar, escrever, pensar são dos clássicos.

    Um ótimo descanso pra você, é bom certas paradinhas.
    bj

    ResponderExcluir
  11. E no silêncio surgiu um belissímo poema.
    Boa pausa.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  12. Como eu disse e repito

    ...
    o poeta criou
    o vazio e
    as reticências do absoluto
    sem pontuação nem final

    Bj

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.