quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Recife






                                                                                 
                                                                               Quando o mar do Recife
                                                                                                 assim se banha,
                                                                                   o dia amanhece
                                                                                                 em minhas
                                                                                                                mãos."

                                                                                                        Audálio Alves.

                    Recife cidade mil

                    Céu azul anil

                    Teus coqueirais

                    Sombra,

                    Um vento quente com

                   Águas mornas de

                   Um mar aberto juvenil,

                   Com seus arrecifes

                   Piscinas verdes de beleza

                   Transparente

                   Pôr-do-sol

                   Laranja rosa

                   Cores

                   Aromas transformando-se em

                   Estrelas de um céu gentil.


                   Recife

                   Cidade de encanto

                   Som de vários ritmos

                   Colorido em ti

                  Tudo ganha sentido.


                  Recife

                  Beleza genuína

                  Rios que ainda mortos

                  Mesmo assim

                  Cantam o silêncio da

                  Mata perdida

                  O barulho do asfalto

                  Explode nas avenidas

                  Curvas

                  Mistérios

                  Arte

                  Que sobrevive

                  Mesmo sem nenhum cuidado.

                  Preservada,

                 Recife é um retrato da cidade

                 Em movimento.


                 Recife

                 Onde o meu coração mora

                 Enraizado culturalmente.

                 O mar translúcido infinito
   
                 Carrega a minha alma

                 Nas tuas ondas

                 Descansando nas tuas piscinas naturais,

                 Verde que anima e

                 No teu céu azul anoiteço em

                 Tuas estrelas

                 Que brilham os meus

                 Sonhos

                 Me sentindo inteira.


                 Recife

                 Menina, mulher

                 Paraíso,

                 Loucura

                Anunciada.

                Desorganizadamente cresce

                Pobreza ainda

                Sujeira em seus cantos

               Que não cheira nenhum encanto.

               Natureza vasta

              Que aguarda um tempo

              De ser olhada

              Entendida, amada.


              Recife

              Pontes de luz

             Casa das garças

             O branco no verde

             O artista

             Que livremente

             Muda a paisagem.


             Recife

            Com sabor de pitanga

            Que caminha no ritmo

            Do frevo único

            Com a sua

            Essência mestiça.

           A sua fala

           Cantadores poetas

           Ritmos diversos

           Multicultural.

           Filhos

           Pensadores

           Individualistas

           Rebeldia é o seu

           Nome artístico.

           Solidariedade

           Conscientes

           Moradores.



Suzete Brainer ( Direitos autorais registrados)

Imagem: Foto de Wilton Marcelino.


Dedico à Narinha:
  
Para matar a saudade da nossa Terrinha...

Um cheiro e abraço bem apertado (cheio de afeto)!




27 comentários:

  1. Chorei em cada estrofe do poema, transportada para esta
    cidade (nossa); com seu "sabor de pitanga", seu "mar juvenil",
    seu "céu gentil", e esta amiga Poeta, um encanto de alma,
    com um universo belo de palavras talhadas na
    afetividade e humanidade luminosa...
    Sei que vais reclamar comigo por eu dizer:
    que este é o mais belo poema feito para cidade Recife,
    mais é mesmo e pronto.
    A citação do Poeta Audálio Alves é belíssima também.
    Agora só o teu olhar poético construiu de forma original
    e belíssimo o Recife no feminino:
    "Recife
    Menina, mulher
    Paraíso,
    Loucura anunciada."

    Muito obrigada, querida amiga (irmãzinha)!!
    Te adoro, viu...
    Um cheiro enorme e abraço arrochado saudoso...
    Nara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reclamo mesmo, maluquete adorada...
      A poesia é sempre o caminho, o processo
      criativo inacabado e a pretensão é uma tolice (ilusão)...
      Vou cobrar por cada lágrima, uma orquídea (trabalhando
      nos arranjos), não foi nada de graça (rsrs)...
      Um cheiro enorme e meu abraço arrochado de saudade!

      Excluir
  2. Um poema magistral de louvor à sua cidade. Uma descrição
    belíssima de cores; o céu, o mar, o pôr-do-sol.
    Originalmente retratado por você no feminino:
    "Recife
    Menina, mulher
    Paraíso,
    Loucura
    Anunciada."
    Assim, igualmente ao desejo de uma mulher:
    "Que aguarda um tempo
    De ser olhada
    Entendida, amada."
    Depois o sabor de pitanga, os ritmos diversos como o frevo,
    multicultural, cantadores poetas e "Rebeldia é o seu nome
    artístico"...
    O seu olhar é de pura magia para cada canto da sua cidade,
    (en)cantando-a poeticamente de uma forma inesquecível, Suzete!
    Dedicatória merecida, eu conheço a saudade que a Nara
    sente desta sua cidade natal.
    Um abraço afetuoso (substituindo o cumprimento de fã pelo
    abraço, a Nara me disse que você não ficava a vontade...
    sei que você é simples...)
    Felipe.

    Ps:Ficarei uma temporada distante, irei para minha casinha
    nas montanhas, é simples sem internet. Não suporto esse
    tempo de calor, só levo celular pelos cuidados da Nara;
    tem idade para ser minha filha e cuida de mim como se
    fosse minha mãe...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você faz muito bem de ir para o silêncio, beleza e
      clima das montanhas.
      Vou sentir saudade da sua presença aqui.
      Para mim, a sua presença é luminosa!!
      Não se esqueça de telefonar para a "mãe" Nara (rsrs)...
      Abraço afetuoso e grato!

      Excluir
  3. Boa noite
    Passei pelo teu cantinho para te dar a conhecer o meu modesto espaço de poesia.
    Espero que gostes. Um abraço, Ana Pereira
    http://almainspiradora.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  4. Uma homenagem viva e sentida à cidade do Recife. Li e reli e gostei.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Um poema maravilhoso, repleto de cores, ritmos, e sabores.
    Uma bela homenagem à tua bela cidade, feita de tanto céu azul, mar, de belo pôr do sol, de rios que embora mortos "cantam o silêncio da mata perdida", de multiculturalidade, rebeldia, e desse encanto feminino com que também a apresentas.
    Belíssima sei que é a tua cidade, porque o Fábio Murilo já me ofereceu de Recife, um video a três dimensões! ;-)
    Gostei muito, Suzete!
    Bom fim de semana!
    xx

    ResponderExcluir
  6. Que bela homenagem para a tua amiga! Um poema que a cada verso mostra uma terra entranhada na tua alma, enraizada no teu coração, e que tão bem soubeste louvar. Um poema grandioso que marca o teu amor pela terra natal.
    Que te chegue um lindo final de semana inundado de alegria e paz.
    Um beijo carinhoso da
    Helena

    ResponderExcluir
  7. Suzete , estive em sua cidade há 20 anos e seu poema me fez reviver toda sua beleza . Obrigada . Beijos e bom final de semana .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Marisa,

      Fico feliz que o poema tenha acionado esse reviver...
      Gosto muito da sua meiga presença aqui!!
      Beijos e bom final de semana.

      Excluir
  8. Maravilhosa homenagem à sua linda cidade.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  9. Linda homenagem a sua cidade, Suzete e que gostei muito de conhecer através das suas palavras.A foto também é linda.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  10. Suzete, não basta ser da terra, conhecê-la profundamente, acompanhar seu crescimento (desorganizado como o das demais), apreciar seus horizontes encantados, sentir o brilho do sol que a ilumina, banhar-se em suas praias, chorar pelos seus rios ... para homenageá-la dessa forma linda. Fiquei maravilhada com sua poesia, fruto de um talento louvável. Um canto indiscutível de amor a Recife. Já estive lá e as cores, ritmos, sabores a que aludiu estão presentes nesse lindo canto do Brasil, com evidência. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  11. Nunca fui ao Recife, mas, ao ler o seu excelente poema, fiquei com vontade de lá ir.
    Gostei muito do seu poema, é brilhante.
    Suzete, minha querida amiga, tenha um bom domingo e uma boa semana.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  12. Recife, plena de encantos e afectos, a casa de partida...
    Muito sentido, Suzete, encantou!

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  13. Recife, plena de encantos e afectos, a casa de partida...
    Muito sentido, Suzete, encantou!

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  14. Linda homenagem a essa cidade linda. Uma bela e inspiradora semana.

    ResponderExcluir
  15. Linda homenagem a essa cidade linda. Uma bela e inspiradora semana.

    ResponderExcluir
  16. Olá Suzete,

    Bela descrição poética da 'Veneza Brasileira'.
    Linda cidade. Há muito não vou a Recife.
    Você focou todas as suas belezas e mazelas, com muito carinho e admiração.
    É mesmo uma cidade de encantos. Espero revê-la breve.

    Lindo! Uma homenagem à altura.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  17. vibrante a "atmosfera" que tão bem descreves...

    percorro as ruas de Recife pelos teus dedos...

    beijo

    ResponderExcluir
  18. Recife: um amor de Suzete
    preguiçosamente espraiado
    em mil cores anunciadas
    da "essência mestiça"
    do "sabor de pitanga".

    Bj

    ResponderExcluir
  19. Recife: um amor de Suzete
    preguiçosamente espraiado
    em mil cores anunciadas
    da "essência mestiça"
    do "sabor de pitanga".

    Bj

    ResponderExcluir
  20. Excelente texto em carne viva
    palavras sentidas que bem transmites

    Talvez um dia Recife

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Recife? Acho que conheço essa cidade, rs. Mas é isso. O problema que estamos acostumados, mas, se olharmos com os olhos inéditos de um turista, como agora chegados, a cidade é inédita e bonita. O capricho do rio a corta-lhe, a atravessar-lhe, dá todo um charme, um romantismo. Poucas cidades tem esse privilegio no planeta, de ser menos pedra, calcaria, também liquida. Recife de Manuel Bandeira, Carlos Penna Filho, Alceu Valença, Lenine... Recife de nossas raízes. Aí, Laura, valeu a menção, rs. Muito bem, conterrânea, ótimo poema louvação. Beijos!

    ResponderExcluir
  23. É a tua, Recife, é a tua vida, Recife, tão bem desentranhada pelas mãos de Suzete, que não sabemos quanto amor, quanta a alegria temos a oferecer-lhe sem trair a nossa baianidade... É que sempre tomo Recife como um cálice de um bom vinho. Gosto demais dessa terra...
    Abraços, Suzete!

    ResponderExcluir
  24. A cidade inteira em poema! Intenso e sensitivo. É a alma e o coração a beber cada emoção do lugar amado.
    Um bjo, amiga querida :)

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.