sábado, 14 de novembro de 2015

Escalada










Um ponto intacto vibra numa incerteza!

Às vezes
escalo uma montanha acesa em mim;
noutras,
uma abrupta descida de musgo, solidão e espera, 
(áspero o corredor da saída).
Mas,
a vida me embala nos dias claros,
me adormece nos dias cinzentos...

Enigmaticamente,
se fez silêncio
             numa
             primavera de vento frio,
restando tu e eu
             flores crestadas do inverno...

Pequenos minutos
           mastigados
          de nada primaveril.

Nesta escalada
         nos desencontramos:
eu fiquei com
       teus olhos;
tu, com
      a minha boca...

      






Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)


Imagem: Obra de Andrew Astroshenko.





25 comentários:

  1. Li e reli o seu poema, porque é notável.
    Nenhuma palavra surge ao acaso e o final é de mestre.
    Parabéns pela excelência deste poema, brilhante.
    Bom domingo e boa semana, minha querida amiga Suzete.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Simbologias a respirar, entre linhas, colocadas por mão sabedora...
    Muito bem, Suzete!

    Uma boa semana :)

    ResponderExcluir
  3. Simbologias a respirar, entre linhas, colocadas por mão sabedora...
    Muito bem, Suzete!

    Uma boa semana :)

    ResponderExcluir
  4. Os altos e baixos do mundo interior. Tanto se sobe a montanha, como se desce ao raso chão da solidão. Um poema de como a nossa inconstância tem tanto a ver com o mundo exterior; o sol faz-nos acordar, os dias que parecem noite fazem-nos adormecer. Mas surpreendentemente pode acontecer uma escalada em que no "desencontro" se encontrem os olhos de alguém que nos faz aterrar em segurança.
    Belíssimo poema, Suzete!
    xx

    ResponderExcluir
  5. O teu poema parece nos dizer que é a vida escrita, que se joga e se afirma em cada poema, tão bem traduzido na leitura de Laura. Parece-nos mostrar que há um sujeito que respira malgré a escalada.
    E pela materialidade do poema, depreende-se a procura do saber, do reconhecer-se, em suma, apreende-se a essência da vida, que é a eterna procura.
    Um belo poema, Suzete!

    ResponderExcluir
  6. que o musgo se faça leito. macio...
    e os olhos sejam incêndio. no encontro das bocas...

    poema de uma sensualidade elegante e terna...

    gostei muito.

    beijo

    ResponderExcluir
  7. OI SUZETE!
    E NESTES ALTOS E BAIXOS QUE SE SUCEDEM EM NOSSA ESCALADA O TURBILHÃO QUE NOS ENVOLVE E QUE DE MODO LINDO COLOCAS EM TEU TEXTO.
    ABRÇS
    -
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Um poema de sensualidade na forma da eterna busca... a essência dos afectos. Os dias sim, os dias não, tal como primavera-inverno. Somos esse desassossego constante.

    Querida Suzete, sensibilizada pelas palavras deixadas em meu blog.
    Um beijo,

    ResponderExcluir
  9. Um poema de sensualidade na forma da eterna busca... a essência dos afectos. Os dias sim, os dias não, tal como primavera-inverno. Somos esse desassossego constante.

    Querida Suzete, sensibilizada pelas palavras deixadas em meu blog.
    Um beijo,

    ResponderExcluir
  10. É muito bom irmos escalando rua acima,rua abaixo,a escalada da vida!! Gostei das tuas palavras,muitos beijinhos,tudo de bom para ti,excelente mês de Novembro!! http://mundoteenagerofsophia.blogs.sapo.pt

    ResponderExcluir
  11. Possuindo o mundo, num beijo eterno.
    bj

    ResponderExcluir
  12. Muito bom, Suzete, o seu poema.

    "Enigmaticamente,
    se fez silêncio
    numa
    primavera de vento frio,
    restando tu e eu
    flores crestadas do inverno..."

    Parabéns.
    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Que bonito: "Nesta escalada nos desencontramos: eu fiquei com teus olhos; tu, com
    a minha boca..." no todo, bela construção, Suzete. Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Escalada de nós mesmos...
    Bjbj Lisette.

    ResponderExcluir
  15. O vento frio pode chegar quando esperamos o sol. Nos pega desprevenidos, nos altos e baixos dos sentimentos, da vida, das reflexões. Lê-lo nos permite adequar o instante ao que se possui dele mesmo. E até dos desencontros se guarda algo precioso. Não há fim. Belíssimo, Suzete! Sempre me encanta. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  16. Que poema, Suzete!
    Admirável como você externa sentimentos com tanta poesia.
    Não sou 'expert' na interpretação de poemas, mas endosso as palavras da amiga Laura, que, sob a minha ótica, fez uma leitura perfeita do poema..
    Um final majestoso.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  17. "Só que sobe à montanha toca o céu" dizia Miguel Torga.
    Gostei muito do poema.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  18. Gostei imenso de reler o seu excelente poema.
    Fico à espera do próximo...
    Tenha um bom fim de semana, querida amiga Suzete.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  19. Lindo poema!!!!!!!!! Abençoado final de semana!!!!!!!!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  20. Suzete,
    és calada, tu própria o confessas, neste poema brilhante.
    Lançaste com mestria as cordas que levam ao cume.

    Bj

    ResponderExcluir
  21. Gosto do valor semântico do termo "escalada".um ato de persistência, de desafio e de superação. Engrandece-nos. E ela faz-se, precisamente numa alternância de que o teu excelente poema é exemplo: alento, desalento ou vice-versa, ocorrendo , em ambos os estados, pausas para encontros e despedidas. Mas de tudo, fica algo dentro de nós...
    Magistral. pela carga imagética que dele emana, esta construção poética.
    Bjo, querida Suzete :)

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.