quarta-feira, 4 de julho de 2018

O Silêncio Música




Resultado de imagem para imagem de pintura de ingrid tusell



Uma dor muda,
Num som sem volume,
O vazio estilhaçado no voo
À janela fechada.

Às vezes no silêncio da vida
Mora a nostalgia da alma.
Ficamos sem voz
Com o nó das palavras
Amarradas na garganta,
Numa estreita passagem de indignação.

E noutro dia,
O sol dá a passagem
E, de tanta luz,
O silêncio torna-se música.


Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Ingrid Tusell.



                        

19 comentários:

  1. Bela imagem e belíssimo poema, Suzete! Parabéns! Gostei demais de Augusto dos Anjos. Na juventude cheguei a decorar o único livro dele, EU E OUTRAS POESIAS, inteiro, de tanto gostar dos lúgubres poemas. Hoje prefiro a poesia que eleve a alma e que não deprima, como os poemas de Augusto. No teu poema é legal, porque a dor é muda; a janela é fechada; a nostalgia mora na alma; há um nó de palavras na garganta, mas de repente surge o sol e a luz se faz, como se desde sempre existisse uma esperança. Parabéns pela bela construção! Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  2. Deu até pra além de sentir,ver a luz...Linda poesia! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. ... e a Palavra poética liberta-se no corpo do poema!
    e o eloquente silêncio faz-se música, depois de estilhaçado o "nó das palavras amarradas na garganta"!

    que o Sol, minha amiga Suzete, te seja sempre "passagem de luz"!

    poema de excelência. e uma Poeta maior.
    adorei.

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, querida amiga Susete!
    Muito expressivo e a música dos raios solares é belíssima, energizante, iluminadora e aquece a alma.
    Poeta com expressividade, que lindo!
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  5. É, querida Suzete, nossos caminhos são feitos de frustrações, de desencantos, de equívocos, mas também de grandes alegrias e renovadas esperanças - isso é o sol que você mostrou, tão radiante. Seria o caos se assim não fosse. Penso que a renovação de atitudes e de sentimentos impulsiona tudo. É um renascer.
    Agora, com esse caos no nosso país, já imaginou se não houvesse uma nesga de esperança? Nós precisamos desse sol, diariamente!

    E noutro dia,
    O sol dá a passagem
    E, de tanta luz,
    O silêncio torna-se música.


    Gostei muito de ler, dei a minha interpretação para esquentar o momento!
    Beijo, uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  6. Brilhante poema. Parabéns, adorei :))

    Sussuros... à maresia...

    Bjos
    Votos de uma óptima Quinta-Feira


    ResponderExcluir
  7. Realmente só alguns têm a capacidade de captar e transmitir a harmonia dos sons do silêncio.
    É por isso que o teu piano toca poesia.

    Parabéns, minha amiga.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Mais uma belíssima obra -O seu poema" Quantas e muitas vezes o silêncio em nossa alma se faz com uma música ao fundo. Silenciosa música que se define como única luz. Parabéns.
    Quero te agradecer por seus esclarecimentos quanto aos problemas la no blog. Ajudou sim. Fiquei mais tranquila uma vez que agora sei, não se tratar só dos meus blogs. Um abraço minha amiga.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Suzete!
    Este é um dos meus espaços favoritos, onde me encontro com a poesia bem elaborada, criativa, sensível, sempre fruto de profunda inspiração, como este teu maravilhoso poema.
    Gostei muito. Parabéns, minha amiga.
    Um bom fim de semana,
    Um beijo
    Pedro

    ResponderExcluir
  10. E luz é vida...
    Excelente poema, gostei muito, parabéns pelo talento.
    Amiga Suzete, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Ola' Suzete, minha Amiga,

    Quero dizer-lhe que muito aprecio a sua Poesia.
    Este Poema, simples, curto e intenso, em dois planos, da'-nos esperança na Luz de outro dia, em contraste com o grito estrangulado, na indignação de quem olha e repara no presente.
    Tudo será diferente no dia que amanhece.
    Muito belo.
    Como escreveu Sophia de Mello Breyner Andresen, in 'O Nome das Coisas', sobre o nosso 25 de Abril:

    "Esta é a madrugada que eu esperava
    O dia inicial inteiro e limpo
    Onde emergimos da noite e do silêncio
    E livres habitamos a substância do tempo".

    Um beijo e um bom fim-de semana.


    ResponderExcluir
  12. E assim prosseguimos Suzete certa que as manhãs podem ser luminosas se abrirmos as janelas.
    Belo poema.Bom voltar a ouvir seu 'piano' melodioso.
    um abraço

    ResponderExcluir
  13. Um silêncio feito poesia e encanto.
    Maravilhoso poema
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  14. Nada como um dia atrás do outro... para nos confirmar, que cada dia, não pode ser tido em conta, como uma vida inteira...
    Há sempre um raio de sol... rompendo qualquer nuvem, cedo ou tarde...
    Um belíssima inspiração, Suzete... que nos leva ao dúbio mundo do silêncio... que tem tanto de corrosivo... quanto de inspirador... tudo dependendo, na realidade, do nosso estado de espírito!...
    Beijinhos, Suzete! Feliz e inspirada semana... e repleta de luz...
    Ana

    ResponderExcluir
  15. E quando o silêncio se torna música percebemos que, em cada manhã, hã um chamamento da vida… Um poema muito belo, Suzete!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  16. Quando você fala sinto cheiro
    de flor, música e poesia.
    Bom dia, amiga.

    .

    ResponderExcluir
  17. Querida amiga um silencio quando bem adentrado é um grito de liberdade, um pulo na euforia, um passo à felicidade.Que inspiração maravilhosa da emersão de um mergulho. Coisa linda amiga como uma bela canção.
    Belo e feliz fim de semana com a paz sempre.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir
  18. Suzete , adoro a luz do sol presente no seu poema . Você sempre nos encanta com sua sensibilidade . Obrigada . Beijos

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.