quinta-feira, 26 de setembro de 2013

As folhas amareladas







Aquela folha amarelada

num canto do chão,

transportou-me no tom

nostálgico,

no rapto do instante-presente,

de repente a menina

que corria nos quintais,

os pés brancos que

realçavam sobre as folhas amarelas queimadas,

pisadas,

emitindo o som da liberdade das horas

nas tardes recolhidas de sol...


Agora, neste instante

colhido em pensamento flutuante ,

a mulher com as asas da menina,

voa simplesmente

levando as folhas...




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)




13 comentários:

  1. A nostalgia é mesmo essas folhas amarelas queimadas...
    Sensível e lindo, Suzete.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  2. Todo o voo interrompido é melancólico
    Talvez os versos sejam uma forma de voar

    Bjo.

    ResponderExcluir
  3. Minha querida

    Que nunca deixe de voar...sem asas não há sonhos. Adorei ler este belo poema e agradeço a visita carinhosa.

    Um beijinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  4. o outono leva-nos por vezes a uma certa melancolia
    que vi aqui retratada no teu poema.
    a imagem foi muito inspiradora.
    um beijo

    :)

    ResponderExcluir
  5. Caraca Suzete...
    Que lindo, tocante e profundo.
    Amei.
    Compartilhei em todo canto. rsrs
    Obrigado por ter escrito.
    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. Olá Zuzete!
    Também andei por aqui como essa mulher com asas e fiquei encantada... Ah! o Outono...tão inspirador para os poetas...
    Beijos.
    M. Emília

    ResponderExcluir
  7. Olá Suzete!
    Como basta uma simples folha amarelada para trazer de volta retalhos de vivências significativas; a criança que salta novamente, de repente de dentro de nós para que nunca nos esqueçamos que essa criança existirá sempre livre dentro de nós, e persistirá em surgir voando naquelas que sabem o que a beleza da inocência é.
    Outro belo poema.
    "a mulher com as asas da menina,// voa simplesmente// levando as folhas" Muito bonito!
    xx

    ResponderExcluir
  8. A imagem acompanha muito bem o poema... (o contrário)...
    bjo amigo

    ResponderExcluir
  9. Nada como ter asas jovens para que o voo seja bonito e eficaz...
    Magnífico poema, gostei muito.
    Suzete, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. A memória que voa
    Para um tempo passado,
    Como “vivida agora”
    Há memórias que nos levam como vento
    Trazem-nos o sorriso de um dia,
    Mas também a nostalgia
    (porque o tempo tudo muda)

    Um poema de saudade,
    Gosto sempre de te ler.

    Beijinho amiga

    ResponderExcluir
  11. Minha querida

    Hoje passando para dizer que estou a ser entrevistada no RECANTO DOS AUTORES, será um prazer a tua visita. Deixo o Link:

    http://recantodosautores.blogspot.pt/

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  12. A menina mulher gosta de voar como folha outonal desprendida e nem se esquece de enfeitar os caminhos com tapetes fofos e multicores. Eu gosto de voar aconchegada nas tuas poéticas palavras, querida Suzete.
    Beijo afetuoso.

    ResponderExcluir
  13. E como voaste nas folhas que, sendo cíclicas, nos transportam, por vezes, a momentos que , não sendo cíclicos, marcaram um ciclo tão nosso: o da meninice e aqueles atos que a caracterizavam, como a leveza e a dança em que rodopiávamos acompanhando o musical dos sons da natureza...Se evocas desta forma foi porque foste tocada pela felicidade...

    Deliciei-me...

    Bjos, querida amiga :)

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.