segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Gotas de Orvalho





Resultado de imagem para imagem de pinturas de alexandrina karadjova



A palavra por dentro
Vestia rosas amanhecidas
Com o frescor da emoção,
Colhida pelo coração da vida.

A vida se passa no coração
Inquieto,
Insubmisso,
Com gotas do orvalho,
Discretas,
Invisíveis,
A tornar-se música
Numa escala dos dedos.






Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexandrina Karadjova. 




                    

15 comentários:

  1. O que te dizer? Aplaudir somente! beijos, linda semana,chica

    ResponderExcluir
  2. gotas de orvalho vibrantes como cristal e dolentes como cordas de violino.

    belíssima a música onde se diluem...
    e o coração que as derrama.

    beijo, minha Amiga

    ResponderExcluir
  3. Insubmisso coração, que só à música dás razão...
    Uma boa semana,com um beijo, Amiga.

    ResponderExcluir
  4. O húmus das palavras a libertarem o nutriente mais rico na tua poética, a emoção; que se musica a ela própria.
    Bjo, amiga :)

    ResponderExcluir
  5. Com Vivaldi a vida é toda essa escala que imprimes ao poema. Parece que o orvalho beija a flor para que, suavemente, resplandeça.

    Beijinho, querida poetisa.

    ResponderExcluir
  6. Quando as palavras germinam e crescem no coração a poesia sai pelos dedos musicalmente.
    Ao som de Vivaldi este seu poema querida amiga atinge a perfeição.

    Um beijinho

    ResponderExcluir
  7. Um poema que se torna numa bela melodia que conjuntamente com a musica de Vivaldi tornou brilhante estas "gotas de orvalho"
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  8. "A palavra por dentro
    Vestia rosas amanhecidas"
    A beleza destes versos fez-me percorrer outras postagens, a buscar um enfeite para o olhar que se alongou numa tarde de saudades plenas... E fui no Voo das Borboletas buscar o Brilho do Anonimato onde residia o Mistério do Simples desvendado naquele passado onde carregaste a tua poesia “no equilíbrio dos dias entre uma rotina de estudos e leituras”. Mas o teu “universo poético era secreto” pois não partilhavas nada. Por isso poucos sabiam que tu escrevias, e eram raros aqueles que te liam, pois para ti a poesia era um espaço apenas teu, o teu sentir, o teu olhar. A bem da verdade era quase uma “inscrição” da tua alma, a revelação do teu olhar que não mudava o mundo, pois ele permanecia o mesmo, e as pessoas também. Deste a saber que sempre preferiu a tua viagem nas ondas do teu pensamento “construindo trilhas de voos imaginários, cobertos do amanhã, numa brevidade de constatação da roupagem do tempo que já se tornara ontem...”
    Suzete, minha doce amiga, voltando ao mundo blogueiro depois de um período onde tentei reciclar sentimentos buscando emoções mais saudáveis, menos doídas na minha alma.
    Tenho esta mania de querer homenagear os amigos através das suas próprias palavras, do seu próprio sentir e da poética da sua expressão. É um momento em que fico apreciando de forma total a obra daquela pessoa que visito, pois a alma de uma pessoa me fascina, e através da postagem eu posso percorrer de pés alados o caminho por ela traçado na Poesia. Foi o que fiz aqui, meu anjo. Percorri o teu mundo iluminado de beleza, ternura, verdade, tudo espaçado em versos tão belos que minha alma também se iluminou na ternura dos teus sentimentos e emoções.
    Não me julgue uma “intrusa” ou uma “ladra” de poesia, mas olhe o meu comentário como uma demonstração do imenso carinho e da extrema admiração que tenho por ti, não só pela inigualável poetisa que tu és, como também pelo extraordinário ser humano que demonstras ser. Provas eu tenho disto quando de minhas desventuras tu estavas lá no meu recanto, estendendo-me a mão, oferecendo o ombro amigo, levando até meu coração as palavras mais ternas, cunhadas na tua generosidade.
    Por tudo isto, meu anjo, por esta tua companhia que sempre me deu prazer em estar, é que a minha jornada se tornou menos doída quando os funestos acontecimentos nela chegaram.
    Desculpe o alongado do comentário, mas saiba que o registro envolto nas estrelas e nos sorrisos que te deixo aconchegados numa delicado ramalhete de rosas brancas.
    Com carinho,
    Leninha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Leninha,

      Tu és ímpar na generosidade com os amigos e também este
      talento de uma leitura analítica e elaboração generosa
      com o teu tempo, doado para este caminhar por vários
      textos a construir uma apreciação encantadora e
      tocante...
      Que bela sensibilidade, minha amiga.
      Fico tocada e feliz que tu estejas bem, com a tua
      paz interior reconstruída depois do momento de
      perda tão dorido.
      Muito , muito grata, Leninha!
      Beijo e meu abraço grato.
      Irei te visitar logo...

      Excluir
  9. Oh Suzete, como eu gostei das gotas de orvalho que aqui encontrei.
    O coração é mesmo esse lugar sagrado onde todas as coisas acontecem...
    É dele que brota a vida, é nele que nascem as emoções...aquelas que de tão profundas, só podem ser guardadas dentro do peito.
    É tão delicada e imensa a tua escrita, que se adivinha nascida de uma grande alma...

    Beijinho imenso

    ResponderExcluir
  10. Musica e palavras... numa conjugação sublime e perfeita!...
    O que dizer?... Que vou pegar mais umas palavrinhas daqui, se não se importar, Suzete... para as destacar qualquer dia... :-D
    Como sempre... excelência no seu melhor, por aqui!
    E o video... lindíssimo! Um verdadeiro privilégio, poder apreciar os seus inspiradores trabalhos, Suzete!
    Um beijinho grande!
    Ana

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.