sexta-feira, 3 de março de 2017

Cadê as Minhas Asas?









Uma morte que me dilacera em

Cortes pequenos do meu sol desfalecido,

Como uma rua deserta que me circula,

A única porta sou eu,

Sentada à minha espera.


Frágeis janelas que abrem e sempre fecham.


Preciso dos pássaros

Para voarmos junto,

Hoje eu não quero o chão.





Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Daniel Gerhartz.







       

9 comentários:

  1. Maravilhoso! Simplesmente maravilhoso descansar os olhos e a alma, neste seu espaço, Suzete!...
    Registando mais esta preciosidade, na minha listinha... para qualquer dia, destacar lá no meu canto... :-D se não se importar, Suzete!...
    E agora, espreitando o que andei perdendo, por aqui, nas últimas semana...
    Beijinhos! Feliz fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana,
      Que engraçado, enquanto tu estavas aqui e eu no
      teu espaço, acho que quase no mesmo tempo...rss
      Boa sintonia de amizade!...rss
      Tu entra e pode levar, é uma honra ficar
      no teu espaço de arte e a tua sincera valorização
      deste meu exercício com a escrita...
      Feliz final de semana, Ana Luz!
      Beijinhos.

      Excluir
  2. Há dias assim em que necessitávamos de ter asas.
    Belíssimo poema
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  3. Aplausos! E há dias que precisamos de asas e nem queremos aterrissar! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Nem sempre é fácil andar de mão dada com a vida. Amaldiçoamo-la, sobretudo quando os ciscos embaciam o olhar. Nessas alturas, precisamos de ouvir o chamamento dos pássaros.
    E que belo voo poético nos deixas!
    Bj, querida Suzete :)
    (Frequentemente, não refiro as imagens e sons escolhidos. Mas estás sempre de parabéns nas escolhas)

    ResponderExcluir
  5. Querida Suzete:
    Estou a escrever este comentário tendo como fundo o som maravilhoso de Egberto Gismonti.
    Como compreendo este seu sentir, ser pássaro, é ser livre de preocupações e dores, abrir todas as portas e voar até ao infinito...
    Felizmente há asas na imaginação, como prova a sua poesia.

    Um grande beijinho

    ResponderExcluir
  6. Suzete ,minha amiga aquariana .
    Dizem que somos " viajantes " .
    É muito bom .
    Você voa escrevendo e eu , pego carona .
    Obrigada .
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Lindo!
    Metáforas brilhantes.
    Beijinho

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.