segunda-feira, 17 de abril de 2017

Crônicas e Contos Que Eu Adoro!




Das Vantagens de Ser Bobo



O bobo, por não se ocupar com ambições, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo. O bobo é capaz de ficar sentado quase sem se mexer por duas horas. Se perguntado por que não faz alguma coisa, responde: "Estou fazendo. Estou pensando." 

Ser bobo às vezes oferece um mundo de saída porque os espertos só se lembram de sair por meio da esperteza, e o bobo tem originalidade, espontaneamente lhe vem a idéia. 

O bobo tem oportunidade de ver coisas que os espertos não vêem. Os espertos estão sempre tão atentos às espertezas alheias que se descontraem diante dos bobos, e estes os vêem como simples pessoas humanas. O bobo ganha utilidade e sabedoria para viver. O bobo nunca parece ter tido vez. No entanto, muitas vezes, o bobo é um Dostoievski. 

Há desvantagem, obviamente. Uma boba, por exemplo, confiou na palavra de um desconhecido para a compra de um ar refrigerado de segunda mão: ele disse que o aparelho era novo, praticamente sem uso porque se mudara para a Gávea onde é fresco. Vai a boba e compra o aparelho sem vê-lo sequer. Resultado: não funciona. Chamado um técnico, a opinião deste era de que o aparelho estava tão estragado que o conserto seria caríssimo: mais valia comprar outro. Mas, em contrapartida, a vantagem de ser bobo é ter boa-fé, não desconfiar, e portanto estar tranqüilo. Enquanto o esperto não dorme à noite com medo de ser ludibriado. O esperto vence com úlcera no estômago. O bobo não percebe que venceu. 
Aviso: não confundir bobos com burros. Desvantagem: pode receber uma punhalada de quem menos espera. É uma das tristezas que o bobo não prevê. César terminou dizendo a célebre frase: "Até tu, Brutus?" 

Bobo não reclama. Em compensação, como exclama! 

Os bobos, com todas as suas palhaçadas, devem estar todos no céu. Se Cristo tivesse sido esperto não teria morrido na cruz. 

O bobo é sempre tão simpático que há espertos que se fazem passar por bobos. Ser bobo é uma criatividade e, como toda criação, é difícil. Por isso é que os espertos não conseguem passar por bobos. Os espertos ganham dos outros. Em compensação os bobos ganham a vida. Bem-aventurados os bobos porque sabem sem que ninguém desconfie. Aliás não se importam que saibam que eles sabem. 

Há lugares que facilitam mais as pessoas serem bobas (não confundir bobo com burro, com tolo, com fútil). Minas Gerais, por exemplo, facilita ser bobo. Ah, quantos perdem por não nascer em Minas! 

Bobo é Chagall, que põe vaca no espaço, voando por cima das casas. É quase impossível evitar excesso de amor que o bobo provoca. É que só o bobo é capaz de excesso de amor. E só o amor faz o bobo.


Autora: Clarice Lispector.


Clarice Lispector: Nasceu em Tchetchelnik, pequena cidade da Ucrânia, e chegou ao Brasil aos dois meses de idade, naturalizando-se brasileira posteriormente.Criou-se em Maceió e Recife, transferindo-se aos 12 anos para o Rio de Janeiro, onde se formou em Direito, trabalhou como jornalista e iniciou sua carreira literária. Viveu muitos anos no exterior, em função do casamento com um diplomata brasileiro, teve dois filhos e faleceu em dezembro de 1977, no Rio de janeiro. 




Num mundo repleto de "espertos", Ser "bobo" é um ato poético, lírico, transgressor  e libertador!...
Viva o estado de Ser "bobo"!
Eu sou boba com a grandiosidade da literatura da Clarice Lispector, com um ineditismo expressivo, que nos toca de forma inesquecível. A escrita da Clarice Lispector reside em nós para sempre...




Dois grandes Artistas nordestinos: Alceu Valença (pernambucano e autor da música - Coração Bobo -) e Zé Ramalho (paraibano), nos deixa bobos num encantamento ao escutá-los!

20 comentários:

  1. estamos unidas com fios invisíveis...


    abç

    ResponderExcluir
  2. Um tema para ler e reflectir! Amei

    Beijinhos e uma excelente semana

    ResponderExcluir
  3. Gostei do texto da Clarice e tu falaste bem...Por vezes até é bom ser bobo...bjs, linda semana! chica

    ResponderExcluir
  4. Querida Suzete, acredito ainda não ter visto por aqui este tipo de postagem... Adoro a Clarice Lispector, a sua escrita me encanta e seduz. Esta crônica faz parte do seu livro A Descoberta do Mundo, onde outras crônicas se juntam para nos maravilhar o olhar com a delicadeza de suas observações sobre a vida, sobre as coisas, sobre o mundo. Um belo presente vieste nos ofertar, minha linda!
    Confesso que me emocionei às lágrimas com a homenagem que prestaste a tua mãe em Quinta-Feira... Estas datas que nos sensibilizam a alma nos trazem à lembrança os entes queridos que se foram... Muito sensível a recordação da sua mãezinha “com o seu sorriso aberto, acompanhado com seus olhos miudinhos, a captar o astral da nossa alma...”
    Que ternura, minha amiga, que doçura de lembrança, que veio suscitar em mim as minhas próprias recordações... São momentos tão amorosamente vividos que passe o tempo que for, nunca se apagarão da nossa memória nem do nosso coração. Grata pela partilha de tão delicado momento.
    Quanto ao vídeo, duas “feras” da nossa MPB, a complementar a tua preciosa postagem.
    Deixo-te milhares de sorrisos e um punhado de estrelas para enfeitar os teus dias, pois a quarta-feira já se foi... E o mundo precisa da beleza e da sinceridade do teu sorriso!
    Meu carinho num beijo do meu para o teu coração,
    Leninha

    ResponderExcluir
  5. Um texto cheio de subterfúgios que o bobo não tem. Está de bem com a vida (sem zonas de penumbra) e é capaz de excessos de amor, como diz Clarisse Lispector, que adoro ler.
    Boas escolhas: autor e melodia. Fiquei boba também.
    Beijinhos, querida amiga. Boa semana!

    ResponderExcluir
  6. O ser bobo tem o coração imenso ;). Adoro Clarice e Alceu!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Por várias vezes, tenho expressado a minha admiração pela personalidade (atendendo à época) e pela eloquente produção literária de Clarisse. Partilhas, hoje, um extraordinário texto que será sempre atual e que releva a ousadia (entre outros aspetos) daquele ser humano que assume ser verdadeiro e arguto na sua interioridade, rindo-se, discretamente e parecendo pactuar, com tudo o que é aparente.
    Tal como tu, deteto bem o chico-esperto (como por cá se diz) e, infelizmente, até no mundo das artes os há em abundância.
    Vivam os bobos que o não são de facto!
    Bj, amiga 😊

    ResponderExcluir
  8. Suzete,

    O belo texto da consagrada escritora Clarice Lispector, de alguma forma põe em confronto a “inteligência” ou o “conhecimento “ pelos afectos versus a “inteligência racional” ou o “conhecimento pela razão”…

    A questão, como propõe em “O Erro de Descarte” o cientista português radicado no EUA, António Damásio, será porém a emergência da “inteligência emocional” que faça a síntese entre os dois modelos.

    um excelente e oportuno texto, sem dúvida.

    beijo, Amiga

    ResponderExcluir
  9. Estou lendo, Amiga, estou lendo...
    e ouvindo, com "pipoca dentro do peito", a magistral escrita da Clarice e o fantástico som da MPB.
    Aprecio imenso ambos.
    Tenho lido muita poesia na página "Tempo Cultural Delfos", inclusivé, dela.
    Espreite, que vai gostar.

    Com um beijo, Suzete

    ResponderExcluir
  10. *Templo Cultural Delfos
    http://www.elfikurten.com.br/

    ResponderExcluir
  11. OLÁ SUZETE
    Passando para conhecer seu cantinho. Amei esse texto da Clarice Lispector.Já estou seguindo seu blog. Uma bela quinta fiera.

    ResponderExcluir
  12. Minha Amiga Suzete,

    Tenho uma grande admiração pela escrita de Clarice Lispector.

    Quando ela diz:

    "Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade inventada."
    - Clarice Lispector, em "Água viva".

    in: Templo Cultural Delfos (para você visitar)
    http://www.elfikurten.com.br/2015/05/clarice-lispector

    ela inventa a razão na emoção.

    A MPB com "pipocas no coração", é um som espectacular.

    (outro meu comentário feito anteriormente, não saiu. Erro meu, creio.)

    Um beijo, cara amiga.

    ResponderExcluir
  13. Olá minha linda e doce amiga,

    Não é à toa que nasci em Minas Gerais-rsrs.
    Adoro esta crônica e admiro muitíssimo a autora, Clarice Lispector.
    Sabe que eu me faço de boba muitas vezes para viver em paz?-rsrs.
    Os ditos bobos são simplesmente adoráveis.
    Adorei reler a crônica.
    Também gostei de ouvir 'Coração Bobo' com estes dois grandes artistas e intérpretes.

    Ótimo feriado e final de semana!

    Beijão.

    ResponderExcluir
  14. Que dizer quando a Suzete, pela boca da Clarice, disse tudo?
    Resta-me levantar o copo e, num gesto sentido, brindar a todos os bobos (não burros) deste mundo.

    Um beijinho, Suzete :)

    ResponderExcluir
  15. Que delícia de texto de Clarice Lispector, e que eu não conhecia.
    Bela partilha
    ;)

    ResponderExcluir
  16. Bom dia Su.
    Ah que descanso mais delicioso! Em dias de tanta "esperteza" poder refletir a candura deste texto de Clarice por tua intercessão.
    Mineira e boba que sou só posso aplaudi-la, também pela excelente escolha musical.
    *Ontem estive lembrando dos nosso e-mails e senti uma saudade gostosa, mas, tão logo obrigações me chamaram e só me coube a gratidão mesmo. Mas, entre uma correria e outra, faço-me aqui.
    Sempre com muito carinho e gratidão, um beijo de alma para alma.

    ResponderExcluir
  17. Um texto, que nos transmite a ideia, de que ser bobo... no fundo é uma pessoa de boa índole... que sabe viver, amar... e inspira amor... e não passa por cima de outro, a qualquer custo... com sua esperteza...
    Confesso, que me custa um pouquinho que se associe Minas, a uma terra de bobos... embora compreenda na perfeição a analogia, e a linha de pensamento seguido pela autora...
    Compreendi que a bobice que a autora menciona... significa uma natureza pura... sem segundas intenções... e sem grande excesso de ambições...
    Estando tal bobice... mais perto de verdadeira sabedoria, e saudável atitude perante a vida...
    Mas ainda assim... tal... parece ser visto como idiotice... pelos que se armam em espertos, mencionados no texto... e um tantinho pela própria autora... que implicitamente o afirma...
    Um texto repleto de nuances que nos fazem pensar... no entanto... lamento dizer... mas não consigo apreciar a obra de Lispector... há sempre algo de corrosivo, e desencantado, na sua forma de dizer as verdades... e de algum recalcamento... pois para todos os efeitos... leva-se na mente uma ideia geral deste texto... Minas é terra de bobos... e ser bobo, é quem se deixa enganar, pela boa fé depositada nos outros... ainda que a intenção, seja passar a ideia de algo bem diferente...
    Mas talvez seja defeito meu, não conseguir apreciar a obra desta autora... apesar de ter uma aceitação muito generalizada, pelo mundo fora... são raros os textos, ou citações, que deveras consigo apreciar da mesma...
    Conto com você, Suzete, para me demonstrar que deverei ser eu a estar errada... esta é a minha opinião sobre a abordagem que esta autora tem... mas não desejo que pelo facto, deixe de colocar textos da mesma, por aqui... bem pelo contrário... pois tenho esperança, de talvez um dia, eu conseguir ler algo desta autora, que me faça mudar de opinião sobre a mesma...
    Um beijinho grande!
    Ana

    ResponderExcluir
  18. O bobo está a par dos negócios do reino, Dada a sua condição de bobo o rei até lhe confia certos segredos.
    O esperto é especialista em chico-espertice, Faz alarde daquilo que julga saber e nem sonha.
    A Clarissa Lispector é um caso muito sério na literatura de expressáo portuguesa. Parabéns por a trazer aqui.
    Bj.

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.