quarta-feira, 5 de abril de 2017

Escultura Infinita do Tempo





Resultado de imagem para imagem de pintura de alexandrina karadjova




Brilha a palavra sem roupagem,
Nenhuma fantasia valiosa de destaque.
Nua no sentido honesto do ato:
Palavras
Sentimentos
Em contíguo espaço,
Expandindo gestos de delicadeza
- A alma - escultura infinita do tempo...

O silêncio sedimenta a música
Estrutural da sua essência.
Os seus gestos, na contramão da
Violência,
Caminham solitários
Diante da multidão veemente
Armada.
Há no espaço da paz
Uma janela para o tempo,
Numa infinitude de minutos
A soprar um sossego
Imprescindivelmente
Libertador!...


Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexandrina Karadjova.





                           


14 comentários:

  1. Mais uma maravilhosa poesia, intensidade e sensibilidade nela! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. E como precisamos desse sossego libertador.
    Maravilhoso poema
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  3. Suzete, minha Amiga

    admirável esse desprendimento da "palavra nua", sem outro destino ou artifício que não seja registo e fluir da alma na sua solidão - "escultura infinita do tempo"- perante as metamorfoses do mundo e as solicitações da vida.

    que esse "espaço de paz" e essa "janela" aberta ao tempo, estejam sempre presentes como iluminação da tua Poesia

    brilhante Poema

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Olá querida Suzete,

    Poema maravilhoso, a nos mostrar a capacidade de um ser de iluminar-se e de iluminar o mundo através do seu "espaço da paz".
    Belíssima ilustração musical.

    Grata pelo carinho de sempre, amiga!

    Tenha um final de semana maravilhoso.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Ainda que já dentro, peço licença para ficar e me solidarizar com a sua palavra ou palavras (exatas) intolerantes com este mundo descarnado e terrível que vivemos, mas sem esquecer o lirismo que é a tônica do seu fazer poético.
    Beijo, Suzete!

    ResponderExcluir
  6. Somos nós que vestimos a palavra, tornando-a única porquanto único é cada um de nós. Contudo, só poucos a humanizam, a dotam de alma e, deste modo, a usam como ação e ato diferenciador.
    Tu és uma das eleitas.
    Um bjo, querida amiga 😊

    ResponderExcluir
  7. Que a palavra se erga nua em contramão de tanta violência! Que se abram janelas a espaços de paz!
    A tua poesia, minha amiga, tem alma, brilho e elegância.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  8. Querida Suzete,

    A essência pura da palavra tem que erguer e ser a arma libertadora contra a violência.
    A sua poesia minha amiga tem o dom de nos exaltar e encantar.

    Um beijinho


    O Toque do coração

    ResponderExcluir
  9. Pela paz, sempre.
    Belo!

    Uma semana inspirada, Suzete!

    ResponderExcluir
  10. Lindo , tudo aqui .
    Encantada , amiga .
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Abriste a janela aos sentimentos e mostraste o trabalho do escultor. A palavra emerge do silêncio, da paz e fica a alma marcada.
    Bj.

    ResponderExcluir
  12. Uma escrita que me acalma...
    beijinho

    ResponderExcluir
  13. Um poema incrível, que descreve de uma forma magistral... o que é a verdadeira paz de espírito...
    Belíssimo trabalho, Suzete! Para ler e reler...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.