quarta-feira, 24 de maio de 2017

Grandes Poemas Que Eu Adoro




Unidade


Minh’alma estava naquele instante
Fora de mim longe muito longe

Chegaste
E  desde logo foi verão
O verão com as suas palmas os seus mormaços os seus
                                                  [ventos de sôfrega mocidade
Debalde os teus afagos insinuavam quebranto e molície
O instinto de penetração já despertado
Era como uma seta de fogo

Foi então que minh’alma veio vindo
Veio vindo de muito longe
Veio vindo
Para de súbito entrar-me violenta e sacudir-me todo
No momento fugaz da unidade.


Autor: Manuel Bandeira.

Livro: poesias reunidas Estrela Da Vida Inteira.



Manuel Bandeira: Nasceu na cidade do Recife, Pernambuco, no dia 19 de abril de 1886. Em 1913, Manuel Bandeira convive com o poeta francês Paul Éluard, nesta partilha com o poeta possibilita para a poesia do Bandeira o verso livre, o tornando o mestre do verso livre no Brasil. Em 1921, conhece Mário de Andrade e colabora com a revista modernista e se engaja no ideário modernista. Em 1940 foi eleito para Academia Brasileira de Letras. Ao completar oitenta anos, em 1966, publica “Estrela da Vida Inteira”. Manuel Carneiro de Souza Bandeira Filho faleceu no Rio de Janeiro, no dia 13 de outubro de 1968. 




                    





8 comentários:

  1. Lindo de ler! Adirei Obrigada pela partilha.

    beijos

    ResponderExcluir
  2. cópula gloriosa em unidade cósmica!
    como o corpo dos amantes fora arco (convexo) onde a alma se derrama
    qual sémen do poema.

    excelente também a ilustração musical

    sublime, minha Amiga

    beijo

    ResponderExcluir
  3. Um grande poema de um grande poeta.
    Bom fim de semana, amiga Suzete.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema, excelente escolha
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  5. Grata por tão bela partilha, querida Suzete. Gosto da forma como Manuel Bandeira canta o amor e, com este acompanhamento musical de Heitor Villa-Lobos, o momento ficou perfeito.

    Beijo, amiga.

    ResponderExcluir
  6. Não admira que adores o poeta.
    Belíssima e artística, esta forma de cantar a unidade dos corpos...
    Excelente partilha no seu todo.
    Bjinho, querida Suzete :)

    ResponderExcluir
  7. Um poema arrebatador, tão leve quanto profundo!
    Para ler e reler!
    Adorei o post! A peça musical escolhida é um puro fascínio e encanto!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.