sexta-feira, 15 de abril de 2016

A Escultura da Alma











Palavra nua e crua
Ecoando no ventilador,
Os ruídos aniquilando o silêncio de dentro,
Guardados numa suave lavanda depois do banho.

A poeira dissolveu tudo num instante,
Entre a porta da frente
E a janela dos olhos.

Os pensamentos voltaram a girar
Nas borboletas feitas de sorrisos passados.

A folha do amanhã
Aberta para a tecla de novos passos...

Os olhos brilham
Sem a sombra da nostalgia do ontem.
Uma alegre conhecida se apossa:
A lucidez com aquela pitada
De ousadia, na contramão da tristeza envelhecida,
Com suas páginas amarelas a preencher
Inutilmente a morte das horas.

Algo não se deixa levar para a morbidez,
O Sol na pele arde
No chamado da vida,
Na urgência do sorriso transgressor
Sem rotina
Sem amarras
Sem garras
Sem brigas.

A paz boiando sobre o corpo
Na escultura da alma!...




Suzete Brainer (direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Lauri Blank 








21 comentários:

  1. Querida Poetisa Suzete,

    A sua Poética é muito profunda, não é para ler com
    pressa, não é para se enganar com a sua simplicidade
    sofisticada (de quem domina a linguagem...), com os
    múltiplos significados da sua rica e bela imagética,
    existe uma sutileza filosófica presente:
    da valorização da singularidade, valorização da vida,
    valorização dos enfrentamentos da realidade nua e crua,
    que se torna na mais pura Poesia, original do seu
    caminho luminoso de Ser Poesia!!

    Este vídeo escolhido com a música e a coreografia
    ficaram uma perfeita harmonia expressiva do seu
    imenso Poema deslumbrante.

    Estava viajando, fiquei ausente daqui, do seu espaço
    de arte poética e literária que prezo tanto.
    Consegui ler algumas das suas postagens, mas não
    tinha meios da net para lhe comentar...rss

    Deixo o meu abraço de enorme admiração pelo seu
    talento original sempre!!
    Felipe.

    ResponderExcluir
  2. Muito grata, Felipe!!!

    Este seu olhar generoso e analítico (na excelência)
    que sobrevoa ao que eu escrevo e me diz tanto, no
    surpreendente da profundidade que a sua atenciosa
    leitura decodifica num caminho tão original e único
    que toca nesta essência poética expressada.
    Uma luminosidade sua fica na minha alma ecoando
    esta preciosa compreensão!...
    Abraço Grato.

    ResponderExcluir
  3. Querida Su,

    O título lindo, a imagem um encanto para o poema e
    o Poema Magnífico!
    O Poema é belíssimo com uma melodia crescente e
    decrescente. As metáforas, tua construção de mestra
    da imagética, sempre originais e hipnóticas...rss
    Esta metáfora ficou ecoando em mim, tão bela, bela:
    "A poeira dissolveu tudo num instante,
    Entre a porta da frente
    E a janela dos olhos."
    Acompanho a tua Grande Poética, tu tens um padrão
    de qualidade poética superior, este teu Poema
    alcançou o máximo da criação poética numa beleza
    sublime. Cada palavra exata no seu espaço expressivo
    e metafórico.
    O vídeo é sensacional, a expressão corporal do
    teu poema "na escultura da alma!..."
    Grata pela leitura de hoje e estou indo com o
    eco poético na escultura da minha alma...rss
    Beijos e abraço saudoso de almas irmãs.
    Nara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Narinha,

      Tu és uma querida, a tua alma é generosa e poética,
      sendo assim: só pode ver, sentir e encontrar Poesia...rss
      Muito Grata, minha amiga e irmã de alma!!
      A tua apreciação é tão preciosa para mim, tu sabes
      né, querida?!...
      Beijo e abraço de paz nesta escultura de alma
      linda que tu tens!...rss

      Excluir
  4. Boa tarde minha Querida amiga.

    Foste majestosa! Mística e iluminadamente majestosa!

    Não encontro uma só oração de verso que não traga muita bagagem luminosa, cada linha é um farol-estrela guiando o oceano azul de uma alma consciente e de águas tranquilas.

    A janela destes teus olhos sempre há de nos apontar para uma melhor visão. Lindo, lindo e lindo... Parabéns!


    *Perdoe-me parar por aqui hoje, acordei com uma irritação nos olhos que virou inflamação, corri aqui para alimentar-me um pouco e deixar um carinho, mas, com limitações.

    Su, como disse ontem (muito acertadamente), escreva muito, permita-se mesmo, pois que tua sensibilidade é incrível.

    Obrigada pelo acesso.

    Fica com Deus minha alma Amiga, tão doce e linda.

    Beijos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Lu,

      Muito grata pelo teu olhar raro (com alma sublime...),
      a engrandecer o significado maior do que eu escrevo,
      uma felicidade para mim, esta nossa identificação
      poética e de almas.
      Cuida destes teus belos olhos e este teu olhar
      sensível, profundo e belo registrado na minha
      poesia é a marca das belas almas que existem
      neste mundo, ainda bem!...rss
      Beijos e abraço de alma para alma!

      Excluir
  5. ps.: o vídeo, lindo! Postagem toda em harmonia, parabéns pelo labor!

    +Carinhos...

    ResponderExcluir
  6. Depois de um banho com aroma de lavanda do que não necessitamos mesmo é de um ruído para destruir a nossa tranquilidade interior, e de qualquer poeira para de tudo ocultar a beleza. Mas a alma foi bem edificada e o pensamento logo surge para resgatar sorrisos, e o encanto, harmonia de viver prossegue na lucidez acompanhada de ousadia, sem resquício de nostalgia.
    Na paz do sorriso aliado ao sol se desafia assim o aborrecimento dos dias; corpo a proteger a alma tão serenamente esculpida. O segredo dessa harmonia do Ser que sempre almeja o Belo e consegue traduzir em versos de profunda magia, através de imagens sempre radiosas o mistério sobre o qual o poeta vive e se constrói.
    Sublime, Suzete! E também gostei muito do video; a beleza artística de um corpo a exprimir a alma.
    É um prazer Ler-te.
    Um belo fim de semana para ti, poetisa enorme!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Laura

      O prazer é meu ler uma apreciação tão bela, inteligente,
      excelente e sensível que tu fazes do poema e todas as
      sutilezas numa perfeição perceptiva.
      Muito grata por ser lida por ti e o privilégio
      do teu olhar raro e profundo, Poetisa Enorme!!
      Um belo final de semana para ti também, viu?
      Beijos, minha querida!

      Excluir
    2. Oh que exagero, Suzete!...Apenas me baseei mesmo no poema por nem saber bem como comentar. És muito querida, e sei como valorizas tanto quem te comenta.
      Obrigada pelas tuas palavras mas sou uma poetisa muito pequenina (ainda mais em altura);-))
      E fiquei tão absorvida pelo poema que até me esqueci da imagem, belíssima também.
      Uma semana com muitos sorrisos.
      xx

      Excluir
  7. A partir do título já vamos nos encantando com seu passeio poético. Tantas imagens lindas nos chegam com seus versos! A vida chama, os olhos não perdem o brilho, a beleza e a esperança colocadas nos novos passos é sublime, já que a nostalgia se apaga com rapidez, diante de uma alma iluminada. O vídeo é maravilhoso.
    Você merece aplausos, Suzete! Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Lucidez e ousadia é mesmo o que precisamos na vida para evitar a morte das horas.
    Excelente poema, gostei muito.
    Boa semana, querida amiga Suzete.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. A "urgência do sorriso transgressor"... A alma livre, à solta pela vida... Um poema intenso. Um vídeo magnífico a ilustrar o Bolero...
    Que bom passar aqui.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. Pequenos nadas, pequenos brilhos, alimento da alma...
    A vida envolve-nos, com a lucidez privilegiada parceira, a tocar nos pontos mais sensíveis da exigência.
    Mais um grande poema, Suzete!

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  11. Realmente, uma escultura da alma. Tão bela e perfeita,tão etérea e c(alma). Gostei imenssissimo, Su. Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Acabo de ler e a imagem que me surge é a de um batismo, a purificação da alma, um superior estado de harmonia.
    Traduzir este sentir em poesia, só para poetas dotados.
    A imagem e a escolha do Bolero de Ravel, aqui numa dança de pura beleza, acentuam a beleza do poema.
    Muito bom, querida amiga.
    BJO :)

    ResponderExcluir
  13. Que belo poema, Suzete. Por onde escorre o ruído quente da lavanda e este repartir da escultura da lama bafejada pelo Bolero de Ravel. É uma espuma de luz purificando os nossos sentidos.
    O seu poema atravessa-me a pele. Belíssimo!
    Abr.,

    ResponderExcluir

Este é um espaço importante para você deixar inscrito:

A sua presença,

O seu sentir,

A sua leitura,

A sua palavra.

Grata por compartilhar este momento de leitura aqui!

Abraço de Paz!

Suzete Brainer.